Salvador, 09 de fevereiro de 2016

De líder, Salvador vira lanterna do Carnaval de rua

Data: 09/02/2016
11:33:27

A cobertura ampla pelas redes de televisão do Carnaval de rua nas grandes capitais mostrou ao Brasil um crescimento expressivo da festa, em participação popular e variedade de manifestações.

Grupos maiores ou menores, acompanhados de todo tipo de instrumental e fantasiados até o ponto em que a criatividade permite, foram vistos em ruas, avenida e praças em saudáveis brincadeiras, no inconfundível espírito de Momo.

É um fenômeno muito semelhante ao que Salvador exibia até o início da década de 80, quando a folia nascia do bairro, do clube e mesmo de amigos ou colegas que se vestiam de forma semelhante e saíam “sem destino”.

Com a industrialização dos blocos e o posterior surgimento dos camarotes – a privatização das vias públicas –, houve crescente elitização, mandando para a periferia do lazer a grande massa, que não dispunha dos mesmos recursos da minoria privilegiada.

Governo e Prefeitura, certamente tocados mais por motivação política que cultural, tentam, a custa de muito dinheiro, ressuscitar o folião-pipoca, aquele que, no passado, tinha sua oportunidade anual de ocupar o centro da cidade, do qual estava geográfica e socialmente distante.

Trata-se, entretanto, de uma iniciativa, digamos, artificial. A forma de fazer Carnaval no passado é o modelo original de tudo quanto se produziu depois, e não deveria ter sido abandonada.

Depois que o folião-pipoca foi expulso ou segregado pelas forças do mercado, estabeleceu-se um vácuo de espontaneidade que não será preenchido num passe de mágica.



Uma esperança para a mocidade soteropolitana

Data: 09/02/2016
11:27:42

Com o cantor Igor Kannário, o prefeito ACM Neto mostrou, definitivamente, seu talento para a recuperação da juventude.

De antigo artista marginal que defendia a violência, o uso de drogas e, afinal, a luta de classes, Kannário transformou-se em pacifista, ameaçando, do alto do trio, entregar os brigões à polícia.

Queira Deus o prefeito consiga imprimir essa técnica na rede municipal de ensino e possa contribuir para a salvação da imensa garotada que está chegando.



Trindade assume a guerra da cerveja

Data: 09/02/2016
11:26:46

Ao contrário do seu xará que por décadas foi comediante muito popular no Brasil, o vereador José Trindade (PSL) não está para brincadeira. Constituiu-se no adversário e crítico mais contundente do prefeito ACM Neto e não dá folga nem no Carnaval.

Começou posicionando-se contra a exclusividade nos circuitos para marcas de cerveja e agora achou um filão concreto para atuar: os vendedores ambulantes que protestaram ateando fogo ao solo sagrado do Farol da Barra.



Monopólio é outro precedente na Bahia

Data: 09/02/2016
11:25:55

Não dá para ficar, como fizemos no ano passado, gastando palavras com fatos que se repetem, por mais absurdos que sejam. O que há é simplesmente isto: o prefeito, desconhecendo a Constituição, criou um monopólio e o vendeu a uma cervejaria.

E na esteira desse ato de violência contra o mercado, assumiu também a responsabilidade por danos colaterais, como a apreensão de latas de outras marcas das mãos de trabalhadores informais, cujo acesso ao espaço público da folia era vetado.



Da letalidade do humor

Data: 09/02/2016
11:24:37

Quando a coisa descamba para a piada, é porque não tem mais jeito. De matar de rir a charge de Sid, reproduzida no site Bahia em Pauta, com Lula de mestre-sala e a ex-primeira-dama Marisa Letícia portando o estandarte da “escola de samba” Unidos do Sítio de Atibaia.



Música, maestro!

Data: 09/02/2016
11:23:40

Mais vale um guri com um canivete que mil metralhadoras na boca da multidão.



Lúcio pilota patrol para abrir caminhos

Data: 08/02/2016
15:55:22

Entre as poucas coisas interessantes que se pescam no noticiário nesta época, em que tudo parece estar “blindado” pelo Carnaval, o deputado Lúcio Vieira Lima nos brinda com uma frase instigante para falar da posição do PMDB sobre a reeleição do prefeito ACM Neto.

“Estamos com boa parte do caminho asfaltada para manter a aliança”, disse Lúcio, ressalvando que não há “nada confirmado” e que o partido aguardará o chamado de Neto, “para sentarmos e conversar”, o que, como acrescentou, “ele já disse” que só ocorrerá “depois do São João”, quando “fecharemos”.

Não precisava ter se alongado. O asfalto para “manter a aliança” foi suficiente. Está – a menos que nossos espíritos estejam mal aguçados – implícita a determinação de dividir o bolo: a vice-prefeitura de Salvador por dois anos e a perspectiva de tê-la por mais quatro.

Vamos convir que não há outra pedida e, sobretudo, força mais legítima para assumir essa “responsabilidade”. O conflito é novo na Bahia “democrática”, mesmo a políticos de formação "moderna". Será preciso uma opção entre o compartilhamento do poder e o velho dissenso de sempre.



Piatã está fora desde que assumiu

Data: 08/02/2016
15:53:29

Lúcio falou também, supostamente em alguma entrevista nos vieses da folia, sobre deputados que, no passado, deixaram o PMDB, fascinados pelos governos do PT.

O móvel do comentário foi o deputado Alex da Piatã. A mídia estarrece-se com sua possível saída, aproveitando a “janela” a ser promulgada após o Carnaval, mas essa era uma pedra cantada desde quando assumiu o mandato.

É a única perda peemedebista na atual legislatura. Da fornada 2007-2011, de uma bancada de seis parlamentares, somente a deputada Marizete Pereira, ainda assim após a eleição de 2010, deixou o partido.

Na seguinte, como lembrou o deputado Lúcio em seu papo carnavalesco, a bancada perdeu a metade, com a saída, por ordem alfabética, de Alan Sanches, Ivana Bastos e Temóteo Brito.



Essa não vale

Data: 08/02/2016
15:51:26

O deputado Alan Sanches deixou o PMDB, partido de oposição pelo qual foi eleito em 2010, e filiou-se ao nascente PSD, que foi criado para fazer parte da base do governo Jaques Wagner.

Alegar, agora, quando sai do partido do senador Otto Alencar, que procurou o caminho difícil da oposição, não pode, evidentemente, validar a transferência.



Nem vem que não tem

Data: 08/02/2016
15:50:09

O deputado Marcell Moraes (PV) quer ser o vice de ACM Neto para formar “a dupla dos baixinhos”. Mas a verdade é que ele não tem estatura (política) para tanto.



De interesse público

Data: 08/02/2016
15:49:30

“Limpurb já recolheu mais de 150 toneladas de lixo no Carnaval”, diz a imprensa.

Seria bom saber a quem beneficia essa notícia. O que o cidadão quer, simplesmente, é abrir a porta de casa e não encontrar sinal de lixo – a não ser que a coleta ainda vá passar.



Durmam tranquilos

Data: 08/02/2016
15:48:42

Pela queixa de a imprensa “ficar estimulando desavença” entre ele e o governador Rui Costa, o prefeito ACM Neto parece crer que os jornalistas estejam procurando despertar algum ACM adormecido nele.



Temer já emitiu o bilhete de Cunha

Data: 07/02/2016
12:25:53

O cenário começa a tomar a configuração das grandes estratégias para o vice-presidente Michel Temer – para manter o cargo, para assegurar mais uma “temporada” no comando do PMDB e para viabilizar-se como candidato à sucessão em 2018, entre outros objetivos que eventualmente persiga.

E eis que o lorde inglês de Tietê empalma duas palavras que, embora aparentemente com a mesma raiz, têm significados diferentes: florete e floreio. O florete é arma branca, afiada, porém de ponta amortecida, de incisão menos danosa.

Quando apoia Jarbas Vasconcelos para assumir a presidência da Câmara, Temer o esgrime com eficácia, pois exibe a premissa de que dá como certa a saída de Eduardo Cunha da presidência da Câmara, sem explicitá-lo, homem leal que é, principalmente com um aliado.

Preocupado em atrair o que resta de “esquerda” no PMDB para seu projeto interno no partido, Temer demonstra que não está nem aí para a presidente Dilma, pois Jarbas é partidário do impeachment e tem autoridade, eventualmente, em novo pedido, para comandar o acolhimento pela Câmara.



O velho amigo e companheiro Jarbas

Data: 07/02/2016
12:24:18

É nessa parte que entra o floreio, palavras derramadas ao vento para encobrir um passado dos “mesmos tristes, velhos fatos, que num álbum de retratos” todos colecionam.

As divergências do partido não significam “desunião”, porque a “convergência” passa a ser o objetivo maior quando o país vive “momentos dramáticos” – como agora, e ele naturalmente não precisou completar.

O geralmente discreto Temer dá tratos ao verbo. Jarbas “é um dos primeiros nomes do PMDB”, conceito que já lhe transmitira. Além disso, “sempre dignificou” o partido, ao qual daria “estatura extraordinária” caso viesse a suceder Cunha.

De fato, Jarbas tem história. Na década de 70, formou na frente parlamentar de resistência à ditadura, constituindo o “bloco autêntico” do velho MDB, entre cujos membros podem ser citados Marcos Freire, Fernando Lyra, Chico Pinto e Alencar Furtado. Hoje é uma pequena lembrança daquela época.



Eternidade de Rui só lhe traria desgosto

Data: 06/02/2016
10:03:31

Rui Barbosa, seguramente, não viveria hoje. Ele, que se referiu há mais de 100 anos à ausência do senso de dever na consciência dos magistrados, para significar a essência da justiça, teria morrido de colapso só em pensar que um dia, talvez, quem sabe, houvesse um Gilmar Mendes para protagonizar tão escabrosas histórias.

O engavetamento por um ano e meio do processo do financiamento privado de campanhas revela-lhe o fácil manejo das instituições. Já o ato ainda não desmentido 72 horas depois, com várias testemunhas, de tachar de “bêbado” o ex-presidente Lula, exprime seu ânimo, até porque feito “aos berros” de verdugo da corte constitucional.

No Brasil de hoje, em que valores e vaidades individuais se sobrepõem sem resguardo à ética e à liturgia de funções sociais elevadas, é possível a juízes dessa dimensão misturar-se às causas que julgam e conviver publicamente com advogados e outros da cena jurídica sem reserva na língua e na linguagem – tudo isso locupletados de prestígio vitalício.



Dilma tem pouco tempo diante da grande onda

Data: 06/02/2016
10:01:54

Em poucos dias o país terá as explicações da presidente Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer para a acusação de crime eleitoral que, caso acatada pelo TSE, poderá levar à cassação da chapa eleita em 2014.

O processo do impeachment esfriou, por várias razões, sendo as principais delas o fracasso moral do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e a oposição do PSDB, especialmente do governador Geraldo Alckmin, pela perspectiva de Temer e o PMDB assumirem o poder.

Aliás, não é outro o motivo de o próprio PSDB ser o autor da ação judicial, pois, cassados Dilma e Temer, haverá nova eleição no prazo de 90 dias. Aí, entre os tucanos, apenas Alckmin ficaria contra, acumulando forças para a disputa em 2018.

Sendo pacífico o fato de que Dilma tem apoio cada vez menor – na sociedade e no meio político –, essa é a opção com mais condições de prosperar, e logo. A presidente tem pouco tempo para inverter o quadro, mas o que se vê no horizonte próximo são problemas e mais problemas.



O colecionador

Data: 06/02/2016
09:59:54

Não bastou o episódio em que, flagrado em operação ilegal com empreiteira para sustentar a filha extraconjugal, renunciou ao cargo, preservou o mandato, absolvido pelos próprios pares.

Tão bom cavador de oportunidade é Renan Calheiros que conseguiu voltar à cadeira principal do Senado, para continuar aprontando, como “desconfia” a Polícia Federal em mais um inquérito.

Imagine-se que, com o vasto acervo de seis processos contra si tramitando no Supremo Tribunal Federal, Renan é o principal sustentáculo de Dilma



Novo surto

Data: 06/02/2016
09:58:21

O PT de Salvador foi picado pelo juka vírus.



Dignidade à prova de trama

Data: 06/02/2016
09:57:00

“Lá a gente tinha nossa horta, nossas plantas, nossas galinhas; lá, a gente tinha tudo” – declarou ao Brasil, pela televisão, ex-moradora do distrito mineiro de Bento Rodrigues, tragado pela lama podre da Samarco, ao dizer que o sustento provisório que recebia, com outros vizinhos, de nada vale.



Cunha tem precedência

Data: 06/02/2016
09:56:03

Monumental escândalo eclode no Rio de Janeiro, envolvendo o presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani. Que permanecerá no cargo, pelo menos enquanto Eduardo Cunha mantiver o dele.



Fogo amigo

Data: 04/02/2016
18:31:48

Passou despercebido um aspecto da informação do prefeito ACM Neto em sua mensagem à Câmara Municipal, de que a dívida de Salvador com a União, agora quitada, era relativa a contrato de 1999, com aditivos em 2000 e 2002.

Nos três casos, o prefeito era Antonio Imbassahy, que após um passeio nas hostes adversárias voltou a ser seu aliado.



Vai encarar?

Data: 04/02/2016
18:30:49

Aguarda-se o próximo corajoso a lançar a candidatura do senador Walter Pinheiro (PT) a prefeito.



O mártir-mor

Data: 04/02/2016
18:29:03

Este é o tipo de reparo que Por Escrito faz sem mínimo de temor de ser seu editor tomado por tendencioso, omisso ou qualquer adjetivo desqualificante na análise do cerne político das questões, que é a essência deste blog.

Falamos do texto ontem publicado sob o título “São outros os mártires da nação”, em que, pela necessidade de contestar o epíteto de “maior líder político do país” dado a Lula pelo próprio “instituto”, citamos outros que, ao contrário dele, merecem pelo menos a condição de líder.

Citamos Getúlio Vargas, da revolução trabalhista e infraestrutural que o Brasil conheceu a partir de 1930, e Juscelino Kubitschek, seguidor no que foi possível, no ano seguinte ao do suicídio de Vargas, do rumo desenvolvimentista e moderno do país.

A precipitação gerou uma injustiça, pois, entre os presidentes de que devemos nos orgulhar, está João Goulart, o Jango, que não foi um demagogo, mas o governante que propôs as reformas de base, e por elas foi derrubado, sendo o único presidente brasileiro a morrer no exílio, o que o distingue na tríade.



César destronado

Data: 04/02/2016
18:27:12

Ao comentar o processo em curso na Justiça Federal sobre medidas provisórias que teriam sido “vendidas” à indústria automobilística, a jornalista Renata Lo Prete, da Globonews, referiu-se à testemunha “César Augusto Rabelo”.

Não se sabe se foi um fenomenal esquecimento ou se há para o fato outra explicação, mas o indigitado vem a ser o ex-governador da Bahia, ex-senador e ex-ministro César Borges.



Graças a Deus

Data: 04/02/2016
18:26:25

A Globo, sempre fiel, até a morte, às próprias ideias e criações, desistiu de apresentar as letras dos sambas-enredos das escolas no Carnaval carioca.

Cansou, ou presumiu que estavam cansados os telespectadores, daquele desfile de analfabetismo e agressão à poesia, tão distante de outros tempos, quando o talento e a inspiração prevaleciam.



Grande novidade

Data: 04/02/2016
18:25:26

Juca Ferreira descobriu a pólvora: o PT vai anunciar o nome do seu candidato a prefeito depois do Carnaval.



Casos distintos

Data: 04/02/2016
18:24:53

Embora tenham sido colocadas no mesmo saco, são bem diferentes as posições da presidente Dilma Rousseff quanto à demora na concessão do agreement a embaixadores indicados por países estrangeiros para atuar em Brasília.

No caso do representante da Indonésia, enfim nomeado, a recusa era ligada à execução de dois brasileiros acusados de tráfico de drogas naquele país. Trata-se de nação soberana, que apenas cumpriu sua legislação, de todos conhecida previamente.

Quanto ao israelense Dani Dayan, cuja indicação até foi retirada por seu governo, trata-se do líder e advogado de colonos judeus na Cisjordânia, dos assnetamentos declarados ilegais por resoluções da ONU apoiadas pelo Brasil.



Carnaval na BR

Data: 04/02/2016
18:21:46

Pastores de variadas fés, bandas evangélicas em quantidade insuspeitada e missionários e fiéis vindos dos quatro cantos da Bahia estão dando uma força ao “espiritoval”, nome um tanto esquisito que o deputado Sargento Isidório colocou na festa carnavalesca que promove para os dependentes químicos tratados em sua Fundação Dr. Jesus.

O evento é aberto, para quem quiser conferir, nas instalações da ONG, na rodovia BR-324, município de Candeias, e vai até terça-feira, das 9 às 22 horas. “Engana-se quem pensa que brincar, cantar e dançar só é possível com os artifícios mundanos das drogas ilícitas e do álcool”, garante o Rei Momo do pedaço.



Vice ideal de Neto está entre Geddel e Lúcio

Data: 03/02/2016
10:30:48

Foram tantos os auxiliares de alta confiança do prefeito ACM Neto a se filiarem a diferentes partidos políticos que todos logo tiveram o nome especulado para ser o vice na chapa da reeleição, em outubro deste ano.

Vale lembrar a importância dessa indicação: como é muito provável a vitória do prefeito, o vice assumiria o cargo por dois anos e meio quando Neto, em 2018, renunciasse para disputar o governo do Estado – ou, como já se supõe, a presidência da República.

Veja-se que muitos analistas descartam liminarmente a recondução da vice-prefeita, Célia Sacramento, com base na convicção de que, pela falta de experiência política e administrativa, ela poderia ser um desastre para os planos do prefeito.

O raciocínio é razoável, e se completa pela hipótese de que, caso Célia venha a permanecer na chapa, estará revelada a intenção de Neto de seguir até o fim no seu segundo mandato.

Tudo é plausível nessa teia de elucubrações, mas é importante considerar e tentar interpretar o que o prefeito diz sobre o assunto, que para ele, aliás, desta vez, está muito precipitado, tanto que só quer encará-lo lá para o São João.

Ressalvando que sua própria candidatura ainda é incerta, o que constitui deslavada mentira, o prefeito dá sinais: a definição será feita por “critérios objetivos, políticos, o que agrega mais...”

Vê-se, pela abertura da possibilidade de escolha de outro companheiro de chapa, que Célia não está segura, mas não lhe cairia mal um mandato de vereadora e uma carreira ascendente em futuro próximo.

O aspecto principal está, no entanto, nos “critérios”. O partido aliado mais forte é o PMDB, sendo os nomes mais importantes os dos irmãos Vieira Lima. O prefeito tem, certamente, condições de reeleger-se sem eles. A dúvida é se isso seria producente para novas empreitadas.

A relação política é uma via de duas mãos. De um passado em que seus ancestrais e mentores tornaram-se inimigos figadais, Neto e a dupla Geddel-Lúcio deram uma aula de reconciliação que os levou a uma unidade comumente anunciada como sólida.

A eleição de 2014 demonstrou claramente que o interesse político está acima das emoções individuais: Geddel desistiu da disputa do governo, para a qual se julgava preparado, e conformou-se em concorrer a senador.

O exercício do poder municipal por dois anos, quem sabe por mais quatro, por um dos irmãos peemedebistas – a precedência é do mais velho –, seria natural num acordo político, ainda mais levando-se em conta a penetração de ambos no eleitorado da capital.

Quanto aos representantes de Neto nos demais partidos – tipo Sílvio Pinheiro, Guilherme Bellintani e até o top de linha Luiz Carreira –, dariam bons vereadores, propiciando ao prefeito uma bancada muito mais reforçada do ponto de vista ideológico.



São outros os mártires da nação

Data: 03/02/2016
10:27:00

Reconhece-se o direito do ex-presidente Lula – ou, no caso, do “instituto” que fala por ele – de defender-se das numerosas acusações que lhe são feitas, de tráfico de influência a ocultação de bens, passando pelo enriquecimento familiar.

É inaceitável, porém, e duplamente, a qualificação que lhe atribui, de “maior líder político do país, responsável pela maior ascensão social de sua história”, vítima de “adversários” que nos bons tempos não eram apontados.

Trata-se de sacrilégio contra vários presidentes que, entre outras virtudes, deixaram o poder sem serem sequer questionados em sua honra.

Mais ainda contra dois que, de fato, deram inestimável contribuição ao desenvolvimento social e econômico do Brasil, que são Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek, estes, sim, profundamente injustiçados, hoje vistos como mártires da nação.

Se o legado de Lula é o que vemos – a corrupção nas altas esferas, o crime infestado em todos as camadas da sociedade, a desgraça do sistema de saúde, a falência da educação, a nulidade do poder do Estado, a economia em frangalhos –, então podemos ter certeza de que ele está fora da verdadeira História.



“Recall” é para poucos

Data: 03/02/2016
10:25:13

A Land Rover, a BMW e a Mercedes-Benz convidam milhares de proprietários de veículos por elas fabricados a apresentar-se para recall, isto é, revisão gratuita para troca ou reparo de peças defeituosas, que podem representar risco de vida aos usuários e terceiros.

São marcas de produtos altamente qualificados, de concorrência no mercado mundial, chegando mesmo a ser uma surpresa que tão frequentemente façam esse tipo de convocação aos consumidores.

Portanto, aos donos de “carroças” nacionais, como as designou em tempo remoto o então presidente Collor, restam duas opções: ou dar graças a Deus pela segurança com que foram brindados, ou rezar muito.



Vandalismo geral

Data: 03/02/2016
10:23:53

A Prefeitura informa que nos últimos três anos, por ação de vândalos, foram “prejudicadas ou danificadas” 40% das áreas verdes do município.

Na verdade, o poder “invisível” de destruição do patrimônio físico e cultural se estende a lâmpadas, placas, equipamentos urbanos, muros, parques e quadras de esporte.

Nesses casos, é uma questão de educação, mas há também os ladrões de fios e cabos e de qualquer metal com algum valor, como as tampas de bueiro.

Enquanto não é possível conscientizar a grande massa de pessoas que praticam esses crimes, é importante agir, com prisões e punições que os desestimulem.



Lucro pelo ralo

Data: 03/02/2016
10:22:15

Seis mil latas de cerveja foram recolhidas pela administração municipal após terem sido encontradas num depósito que fazia a estocagem sem estar legalmente autorizado a esse tipo de mercadoria.

Tendo sido ontem, no Rio Vermelho, imagina-se que serviria para a obtenção de lucro por quem fosse vendê-las, no varejo, na festa de Iemanjá.

Parece uma grande quantidade, ante a imaginação fácil de quem queira ver-se dispondo livremente de lote, geladinho, para beber até quanto for possível.

Mas, multiplicando-se, digamos, por dois reais – dá 12 mil, dinheiro que uns poucos casais refinados gastaria facilmente num jantar em restaurante aqui mesmo em Salvador.



Kramer versus Kramer

Data: 03/02/2016
10:19:35

Estabelecido o quiproquó adrede preparado pela ex-vereadora Andréa Mendonça e seus iguais, no cargo federal de que ora dispõem, temos um embate simpático no cenário nacional: Correia (o James) engalfinhando-se com Correios, a generosa empresa pública.



A Bahia merecia um discurso melhor

Data: 02/02/2016
10:49:43

O longo pronunciamento do governador Rui Costa na sua mensagem anual na Assembleia Legislativa, ontem, poderia ter sido melhor – se tivesse sido mais curto.

Estendido a cerca de duas horas, serviu apenas de tortura mental aos que, por protocolo ou dever profissional, tiveram de ouvi-lo.

Trata-se de um momento único, em que o responsável pelo Poder Executivo comparece ao Legislativo para relatar sua ação no ano anterior e anunciar programas abrangentes e estruturantes para o corrente.

Rui recheou sua fala de chavões e assuntos sem conteúdo, a exemplo das dezenas de visitas a escolas sem, desgraçadamente, que isso tenha produzido uma melhora substancial na educação.

Enfadonho, referiu-se a muito dinheiro, sempre na casa dos milhões, como se a ressonância das cifras fosse suficiente para convencer o ouvinte da importância da obra ou serviço.

Aproveitando a época, chegou ao extremo o governador de citar o “apoio a blocos afros” e informar que “25 mil homens” comporão a força policial no Carnaval, nada mais, rigorosamente, que uma rotina administrativa.

Esperava-se uma abordagem compatível com o elevado cargo do orador, de linhas amplas, contendo compromissos factíveis de investimento para fortalecer a economia e, por consequência, a criação de empregos.

O que tivemos foram referências pontuais, temas antigos e compromissos vãos, mais parecendo de natureza primordialmente política, pois o governador fazia questão de vincular obras e outros anúncios a deputados, citados nominalmente entre sorrisos de cumplicidade.

Contar com “parcerias” e projetar tudo para o futuro foi a tônica, num texto sem conteúdo e profundidade, às vezes, lido atropeladamente.

Foi pior nas partes improvisadas, quando Rui entrou pelo surto das doenças provocadas pelo aedes aegypti.

 “O mosquito não tem filiação partidária, não é de oposição nem de governo”, advertiu o governador. E ainda houve quem puxasse aplausos.



Ato de má educação

Data: 02/02/2016
10:45:17

Pode ser capitulada com a velha expressão “sinal dos tempos” a atitude do desembargador Eserval Rocha de não convidar para a mesa da posse no Tribunal da Justiça a vice-presidente da OAB, Ana Patrícia Dantas Leão.

O presidente da entidade, Luiz Viana Queiroz, certamente em razão da forte adversidade mantida com Eserval, fez o correto: designou uma representante à altura, poupando-se do constrangimento pessoal, mas respeitando o aspecto institucional.

O desembargador Eserval, apesar da alta função a que chegou na esfera judiciária, não logrou compreender que o TJ não é sua casa – onde, assim mesmo, deve haver moderação com os coabitantes – nem pode transferir eventual idiossincrasia para a vida pública.



O orifício fica em patamar inferior

Data: 02/02/2016
10:44:00

Fruto (?) da agressão sofrida por ativistas ecológicos que tiveram seus cartazes tomados na festa de inauguração do Rio Vermelho, André Fraga, secretário da “Cidade Sustentável”, como se chama a pasta criada pelo prefeito ACM Neto, vem a público esclarecer que o protesto “é falta de informação”, pois foram plantadas em Salvador, na atual gestão, 40 mil árvores.

Essas autoridades – dizemos nós – gostam de complicar. Não se trata mais da erradicação ou poda exagerada de árvores. O que está em jogo agora é violência de seguranças contra manifestantes.

É muito importante a defesa do meio ambiente, a proteção da natureza, de seus seres da flora e da fauna. Mas a integridade física e moral dos seres humanos é essencial.



Pensamento do dia

Data: 02/02/2016
10:42:47

Evoluir só é fácil nas escolas de samba.



Pela transparência interna do Tribunal de Justiça

Data: 02/02/2016
10:42:14

O Judiciário é o Poder a que se recorre para a resolução de todas as dúvidas e discordâncias – ele é sempre provocado, pelo Ministério Público, pelo outros Poderes e por outras organizações e pessoas  que se veem ou se julgam privadas de direito ou, simplesmente, querem o esclarecimento de algum aspecto de interesse individual ou coletivo.

Com base nesse princípio, faremos algumas provocações à colenda corte suprema do Estado da Bahia, conhecida como Tribunal de Justiça, que acaba, pela sua nova presidente empossada, Maria do Socorro Santiago, de dar margem a considerações de cidadãos que, não sendo dessa cúpula, sentem-se na prerrogativa de questioná-la.

Disse a douta juíza que, após conhecer detalhes da situação no TJ na fase de transição de presidente, passou a “entender muito mais” o ocupante anterior do cargo, o Dr. Eserval Rocha, e isso certamente não decorreu dos seus belos olhos azuis (ou verdes?), pois que senão a eles teria capitulado antes.

O Tribunal é um universo pequeno, de pessoas altamente qualificadas, a elite do seu segmento no Estado. Por que somente agora, eleita presidente, é que ela vem a tomar conhecimento esmiuçado das contas e números que deveriam estar permanentemente abertos a todos os senhores desembargadores?

Numa Casa de pares iguais – valha a redundância – e poderosos, há se de esperar a “transparência” exigida e praticada no conjunto das coisas públicas, para a qual há até leis específicas e portais na internet, resultantes da evolução dessa cultura na sociedade e dos meios tecnológicos para viabilizá-la.

A desembargadora também enveredou por aspectos de ordem extraprofissional, ao negar que haja “rusgas” com o antecessor. Rusgas? É um extrato do saber jurídico que ali está, sob togas, para decidir sobre a vida e as posses de milhões de pessoas. “Problemas pessoais”, definitivamente, seriam inaceitáveis nessa relação funcional.



Pensamentos atravessados

Data: 02/02/2016
10:39:31

Moisés foi o maior especialista em tábua de marés da Antiguidade.




Página Anterior   Próxima Página