Salvador, 26 de agosto de 2016

Supremo bate o escanteio...

Data: 25/08/2016
21:00:24

Há 15 dias, por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal decidiu que somente serão enquadrados na Lei da Ficha Limpa candidatos a prefeito cujas contas tenham sido rejeitadas pelas câmaras de vereadores, de nada valendo o parecer dos tribunais de contas.

Realmente, a Constituição dá aos tribunais o papel de órgãos auxiliares do Poder Legislativo, mas, como à corte cabe a interpretação do texto constitucional, esperava-se uma decisão que não liberasse seis mil políticos fichas sujas que concorrerão este ano.

O número não é aleatório: foi fornecido pelo presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, Valdecir Pascoal, para quem o Supremo impôs um “retrocesso” ao país, neste momento de intensa luta contra a corrupção.



...para o Senado cabecear

Data: 25/08/2016
20:59:23

A vez dos senadores chegou. Pelo menos, a de 56 deles, que ontem aprovaram a emenda constitucional de desvinculação dos recursos da União, a DRU, que permite ao governo federal manejar livremente não mais 20%, como até o ano passado, mas 30% do orçamento.

A questão é que a PEC da DRU inclui a desvinculação de receitas dos Estados, Distrito Federal e municípios. Além de valer até 2023, a medida, como convém em casos assim, é retroativa a 1ª de janeiro.

São muitos recursos públicos na linha de tiro, para irem daqui pra lá e de lá pra cá, ao sabor da vontade de gestores que originalmente não foram eleitos com essa prerrogativa, antes a lei orçamentária delimitou sua margem de ação.



Temas sensíveis, decisões apertadas

Data: 25/08/2016
20:57:58

O Supremo é pródigo em decisões por 6 a 5, sempre a respeito de temas da maior relevância. Por esse placar, em 2012, reconheceu a autonomia do CNJ para investigar e punir juízes e servidores do Poder Judiciário.

No ano seguinte, aceitou, pela mesma e apertada margem, os famosos “embargos infringentes”, para novo julgamento de 12 réus condenados no mensalão, entre eles o ex-ministro José Dirceu.

Em 2015, a maioria absoluta dos ministros, novamente metade mais um, resolveu que as guardas municipais podem aplicar multas de trânsito, prerrogativa que era exclusiva de agentes estaduais e federais.



O país que preferiu o arrivismo

Data: 24/08/2016
18:16:12

A nação, em geral, não distingue um estadista comprometido com o futuro do país de um político vulgar, que marca sua trajetória pelo exercício da demagogia, sendo dele vítima constante.

Por exemplo, em 1960, preferiu o histriônico e irresponsável Jânio Quadros ao marechal Teixeira Lott, militar legalista que quatro anos antes garantira a posse de Juscelino Kubitschek.

Esse trecho da história todo mundo conhece: Jânio renuncia aos sete meses de governo, levando à posse do vice João Goulart e mergulhando o país numa crise que desembocou no golpe militar de 1964.

Vinte e nove anos depois, quando o Brasil voltaria a eleger diretamente um presidente, dois nomes foram lançados pelos setores populares: Leonel Brizola, exilado no golpe militar de 64, e Lula, forjado aqui, nas lutas sindicais.

Brizola passou praticamente 15 anos isolado do mundo, perdeu referências da sociedade brasileira, que sofreu mudanças profundas. Lula, importante liderança na resistência democrática, trazia a auréola do operário apoiado por intelectuais.

A profunda diferença entre ambos, porém, foi detectada nas primeiras falas. Brizola dizia: “Não sentarei naquela cadeira apenas para que outro não sente”.  Lula mostrou seu estilo: “Brizola é capaz de pisar no pescoço da mãe para ser presidente”.

Venceu Fernando Collor, a candidatura que representava a continuidade política da ditadura. Brizola disputaria de novo em 1994, mas o eleitorado achou por bem colocá-lo em quinto lugar. Morreu com a dignidade preservada, como hoje se reconhece.

Lula foi derrotado três vezes, para, enfim, eleger-se por dois mandatos. O resultado de sua chegada ao poder é o Brasil de hoje, que seus acólitos e beneficiários teimam em pintar como um grande realização. Mas a história não volta atrás. Só nos resta ir em busca do futuro.



Cada um se vira como pode

Data: 24/08/2016
18:12:20

O vereador Edvaldo Brito festejou o aniversário de 38 anos de sua posse como prefeito de Salvador. Não disse que foi prefeito biônico, nomeado pelo também biônico governador Roberto Santos, conforme praxe na ditadura militar.

No rosário de obras de sua curta gestão publicado na imprensa, um reparo: a macrodrenagem da Baixa dos Sapateiros, intervenção gigantesca que acabou os alagamentos da área, foi feita na administração Mário Kertész (1979-81).



Padrinho atrasado

Data: 24/08/2016
18:11:09

Baixou o santo olímpico no governador Rui Costa. Na semana passada, ao receber o medalha de ouro Robson Conceição, anunciou a construção, em Salvador, do “primeiro centro de treinamento de boxe” da Bahia.

Agora repete a dose, pedindo ao ministro do Esporte, Leonardo Picciani, a construção de um centro de treinamento de canoagem em Ubaitaba, certamente movido pelo sucesso do trimedalhado Isaquias Queiroz.

Há na iniciativa uma evidente incoerência: o governador quer estimular a prática de esportes em que, mal ou bem, o país tem tido um bom desempenho. Ele precisa preocupar-se primeiro com aqueles em que não tivemos nenhum destaque, como a natação.



Símbolo restrito

Data: 24/08/2016
18:09:42

Rui ainda deu uma claudicada ao falar de Robson: “Eu quero que você seja um símbolo para nossa periferia e para a juventude negra do nosso Estado”. E a juventude de outras, digamos, etnias?



Um ibope digno de vigilância

Data: 24/08/2016
18:08:59

A pesquisa que dá 68% de intenção de votos ao prefeito ACM Neto, índice de deixar o segundo turno na poeira, traz a boa chance de rastrear o Ibope, sempre acusado, muitas vezes com razão, de exibição de números suspeitos.

Sabe-se, numa amostragem que exprime boa parte dos segmentos desta cidade, afinal não tão “desigual” assim, que o prefeito deverá reeleger-se, salvo melhor juízo ou inaudita catástrofe.

A oposição em frangalhos sonha com o segundo turno, e muito justamente se vale do trabalho do governo do Estado na capital. Tem de estar atenta, como sempre, às pesquisas, que querem lhe tirar esse gosto.



Pressão integral

Data: 24/08/2016
18:07:00

O desempenho do governador Rui Costa em Salvador, considerado bom ou ótimo por 37% dos entrevistados, é outro índice a ser monitorado daqui para a frente.

A intenção óbvia da pesquisa é alimentar os espíritos para a guerra eleitoral entre Rui e Neto: além de encomendada pela Rede Bahia e feita pelo Ibope, cuida só dos números da capital.



Inocuidade total

Data: 24/08/2016
18:05:36

E daí que Rui Costa se encontre com Célia Sacramento?



População fez a segurança no Rio de Janeiro

Data: 22/08/2016
10:57:52

É possível que o noticiário “normal” tenha sido ofuscado pelas competições, mas não seria surpresa se as estatísticas revelassem que o Rio de Janeiro teve os 15 dias mais tranquilos de sua história recente no tocante à criminalidade.

Foi uma demonstração de patriotismo da marginalidade nacional, sabedora de que, literalmente, as atenções de todo o planeta estavam voltadas para os Jogos Olímpicos.

Mesmo o brasileiro comum, que costuma provocar a ação da polícia por brigas de condomínio, de trânsito, de bar, se recatou neste momento, consciente de que não poderia macular o bom exemplo que acabamos dando.

A situação estava tão encantadoramente tranquila, com as pessoas se divertindo dia, noite e madrugada nos espaços culturais e esportivos, que foi preciso um grupo de estrangeiros inventar um assalto que desafiou a nossa argúcia.

Houve, na verdade, uma repetição do que aconteceu em outros megaeventos que a cidade acolheu, como a Copa do Mundo e a visita do papa Francisco, quando ficou demonstrado que a segurança é melhor nas mãos do povo.

A lamentar, duas mortes por motivos que o Brasil ainda não pôde superar: a do técnico de canoagem alemão Stefan Henze, num acidente com o táxi que o conduzia, e a do soldado Hélio Andrade, da Força Nacional, que entrou numa zona proibida às autoridades policiais.



Além de almoço, não existe terrorismo gratuito

Data: 22/08/2016
10:55:47

Por outro lado, cabe registrar: nem sombra de atentado terrorista ou simples ameaça, apesar do grande esforço de parte da imprensa e até de órgãos públicos de consubstanciar uma realidade que absolutamente não é nossa no plano da política internacional.

A posição histórica brasileira é de apoio às resoluções da ONU em favor da causa palestina e árabe de maneira geral, o que inclui temas de alta sensibilidade, como a devolução por Israel de territórios ocupados, conforme as fronteiras anteriores a 1967, e a divisão de Jerusalém.

Nesse contexto está o embrião do conflito que os Estados Unidos, a partir das invasões do Afeganistão e Iraque, disseminaram em todo o Oriente Médio. Grupos terroristas cujo traço comum é a condição islâmica cumprem, afinal, um mandamento de guerra, que é a reação contra os que os atacam.

Os inimigos são, além dos norte-americanos, seus cúmplices nos massacres de civis: França, Inglaterra, Turquia, Alemanha, como já foi, por exemplo, a Espanha, atacada em seu setor ferroviário, com quase 200 mortos, e depois retirada da lista quando suas tropas deixaram o território afegão.



Autodeterminação e soberania

Data: 22/08/2016
10:53:48

A propósito, o novo governo em curso no Brasil, em via de tornar-se definitivo por mais dois anos e quatro meses, anuncia e opera mudanças internas e externas.

Razoável é que, com relação à questão árabe-israelense, seja fiel às tradições do país de respeito à autodeterminação dos povos e à soberania das nações.



Isaquias vibrou com bronze e desdenhou da prata

Data: 22/08/2016
10:50:07

Ao perder, sábado, a medalha de ouro nos metros finais da prova da canoagem para a dupla alemã, o Izaquias Queiroz mostrou toda a sua frustração batendo o remo na água com fisionomia de evidente de desagrado.

É tão própria do ser humano a reação que o cegou, naquele momento, para o grande feito que havia alcançado, de primeiro brasileiro a ganhar três medalhas na mesma edição dos Jogos.

Se já sonhava com o melhor – o primeiro lugar, que, com o parceiro Erlon de Souza, sustentou com vantagem por longos 800 metros –, a prata não valia nada.

Ao contrário, dias antes, ao conquistar inesperadamente um bronze em outra disputa, foi de uma alegria tão esfuziante que, sem demérito para o terceiro lugar, parecia que acabara de levar o ouro.

Foi preciso algum tempo para, como se diz, cair a ficha. Ciente de que estava na mira das câmeras, Isaquias ensaiou um sorriso amarelo, deu um abraço pouco convicto em Erlon e “festejou”.



Prost também fez distinção entre vitórias

Data: 22/08/2016
10:47:51

O contrário aconteceu com o consagrado piloto francês Alain Prost, que perdeu o campeonato mundial de Fórmula 1 em 1983 e 1984, respectivamente para Nelson Piquet e Nikki Lauda, quando era dado como vencedor.

Foi disputar o título de 1985 novamente como grande favorito, e desta vez, realmente, disparou na frente ao longo do ano. Ao cruzar a linha de chegada na prova decisiva, comemorou como uma pedra de gelo, com esnobes acenos da mão esquerda.

No ano seguinte, foi diferente. A briga era entre Piquet e Nigel Mansell, com suas poderosíssimas Williams. Na última corrida, a 15 voltas do final, estoura o pneu de Mansell, que abandona.

Por preucação, a equipe chamou Piquet para trocar os pneus. A liderança caiu nas mãos de Prost, que não mais a perdeu, conquistando um improvável bicampeonato. A festa foi tanta que só faltou ele pular do carro.



Enfim, um trabalho para a polícia do Rio

Data: 19/08/2016
14:22:18

Brincamos, no dia 15, com a notícia do anunciado assalto a nadadores americanos no Rio, considerando-o dentro da taxa “normal” da criminalidade carioca.

Agora vemos esse papelão patético e criminoso dos atletas, em que a infantilidade delinquente nem mesmo reage ao flagrante da farsa para pedir desculpa.

O fato foi produzido pela arrogância imperial, de quem acha que pode fazer tudo na colônia, cujas autoridades subalternas não têm competência para descobrir a verdade.

Num país que se dizia preparado para enfrentar o terrorismo, a guerra bacteriológica, o ataque pelo mar e outras desventuras mais, talvez essa venha a ser a única ação da segurança brasileira nestes Jogos Olímpicos.



Um pobre idioma à mercê de todos (*)

Data: 19/08/2016
14:20:34

Aproveitemos o pedagógico episódio dos apolos decaídos para lucubrar sobre este patrimônio que é a língua portuguesa.

Sabemos que a língua é dinâmica, isto é, com o tempo, modifica-se, inova-se, adapta-se.

Antigamente isso era um processo lento, porque as palavras viajavam de caravela, e mesmo o avião não acelerou tanto assim as coisas.

Hoje vivemos relações promíscuas na, pode-se dizer, plenitude da comunicação eletrônico-cibernética, que elevou a fofoca de bairro a fofoca universal, com a diferença de que a primeira era muito mais fácil de desmentir.

No bojo dessa transformação, o polêmico conceito do “politicamente correto”, com a perda de poder pelos segmentos que o vinham sustentando no país, está sendo substituído pelo “gramaticalmente correto”.

De repente, o velho e expressivo “risco de vida” foi expurgado da imprensa, porque, segundo interpretação dos sábios emergentes, “ninguém corre o risco de voltar à vida”, o que seria uma incoerência.

Hoje se diz e se escreve nos meios de comunicação que o indigitado cidadão “não corre risco de morte” ou, pior ainda, “não corre risco de morrer”.

Como disse respeitado mestre do idioma, querem nos fazer deixar de falar a língua que falavam os avós dos nossos avós, e citou casos obviamente ilógicos, mas usuais, como “um veneno ótimo para baratas”.

Temos agora mesmo um caso trágico a acontecer em Salvador e na Bahia, que é um conhecido apresentador de televisão usar o vocábulo “parafernália” para designar confusão, briga, bafafá.

Trata-se, como se sabe, de palavra muito fina, que define, enfim, o conjunto de ferramentas ou instrumentos para execução de determinada atividade.

Sua nobreza vem de estar em geral relacionada com estetoscópio, termômetro, tensiômetro e outros itens do afazer médico. Repetida exaustivamente em programas populares, poderá em breve aspirar à extensão, nos dicionários, do significado.

Voltando aos capadócios norte-americanos, eles não fizeram “falsa comunicação de crime”, como está consagrado em nosso jargão jurídico. A comunicação foi verdadeira, falso foi o crime, não o deles, claro. De agora em diante, portanto, “comunicação de falso crime”. Será que pega?

(*) Pobre, naturalmente, no sentido sentimental do termo.



Pensamento do dia

Data: 19/08/2016
14:14:57

O problema do mundo está na tréplica.



Brasil legisletílico

Data: 19/08/2016
14:14:19

Vem aí a Lei do Copo Cheio. A abstinência será proibida no artigo 1º.



Bafômetro no tribunal

Data: 19/08/2016
14:13:45

Será que o ministro Gilmar Mendes tinha bebido algo antes de dar a declaração sobre a Lei da Ficha Limpa?



Dilma tem chance de chutar pau da barraca

Data: 18/08/2016
10:33:16

Com a defesa que irá fazer pessoalmente no Senado, a presidente Dilma em nada mudará o seu destino, que já está selado, supondo-se até que piorará o placar pela insistência em dizer que são golpistas os seus juízes.

Como, portanto, não pode esperar clemência, muito menos contrapor apenas inocência aos argumentos de dezenas de senadores, só resta a Dilma fazer revelações e questionamentos que contribuam para o Brasil avançar um pouco na política.

Mais de dez anos no núcleo do poder, cinco no exercício direto, dão a Dilma autoridade e conhecimento para deixar um legado à nação num momento destes, ainda mais diante de pessoas que, seguramente, têm muito mais culpas do que ela na desgraça atual.

À presidente Dilma, se acredita mesmo no que diz, nas lutas da juventude que costuma evocar, como agora, resta ser condizente com a própria história – do contrário será uma mártir demeritória incinerada na caldeira dos velhos coronéis.



Balançado por Temer

Data: 18/08/2016
10:29:47

Há um mês, sob o título “Indecisão que decide”, dissemos que o senador Otto Alencar votaria pela cassação de Dilma porque, depois de apoiá-la na primeira votação, declarou-se “indeciso”.

Veio a segunda rodada, a da pronúncia, que tornou ré a presidente, e Otto manteve a solidariedade, numa posição que a imprensa atribuiu à atuação do governador Rui Costa.

Agora, a dez dias do julgamento, o senador declara: “Passei um ano e tanto pedindo a Dilma sobre meu projeto da revitalização do São Francisco e nada. O gesto do presidente Temer acatando meu projeto mexeu comigo”.



Uma Seleção de redes invictas

Data: 18/08/2016
10:28:41

Depois de levar ao limite do suportável os corações patriotas, eis que o futebol brasileiro chega à decisão da sonhada medalha de ouro olímpica, e ainda com a possibilidade de abater um pouco da dívida com a Alemanha.

Mas, olhando bem, tudo é uma questão de ponto de vista: os dois empates iniciais, por 0 a 0, primaram pela pobreza técnica e ameaçaram gravemente a classificação na primeira fase do torneio.

Depois vieram vitórias por 4 a 0, 2 a 0 e 6 a 0. Ou seja, o Brasil terminou em primeiro do grupo e depois avançou para a finalíssima sem tomar um gol e fazendo a média de 2,4 por partida.

É mais ou menos como nas pesquisas de opinião do mundo político. O interessado manipula os dados livremente, não sendo de duvidar que o regular acabe virando ótimo.



Queimação injusta

Data: 18/08/2016
10:27:33

De estarrecer a transmissão da Globo, querendo fazer crer que Tite, treinador da Seleção principal, foi quem deu padrão de jogo à Seleção Olímpica com suas visitas à concentração.



Nasceu pra isso

Data: 18/08/2016
10:26:43

Chama-se Alexandre Farto o doleiro que atuava para a construtora Queiroz Galvão, conforme investigação da Polícia Federal.

Uma fartura de dólares para uma lista em que aparecem, entre outros, Lula, Alckmin, Delcídio e Maluf.

É por isso que o Macaco Simão não perde o emprego.



Mesquinharia no ar

Data: 18/08/2016
10:25:56

Algumas emissoras de televisão têm a deselegante mania de manchar nomes comerciais que aparecem em suas reportagens para não serem lidos ou identificados, o que, supostamente, caracterizaria uma propaganda gratuita.

Além de mesquinharia, porque aquela mera exposição não alavancará vendas de loja ou produto nenhum, é uma burrice, já que a estranha distorção estraga a imagem que equipamentos tão caros e de tão “alta definição” estão transmitindo.



Vestismo substitui nudismo no verão francês

Data: 16/08/2016
14:15:29

Os que são entrados nos anos, como se dizia antigamente com toda solenidade e respeito, possivelmente jamais imaginaram ver o que está acontecendo na França: um escândalo por causa de mulheres que se vestem dos pés à cabeça para ir à praia.

Foi nesse país que, já há uns bons 70 anos, estilistas tiveram a ideia propor a calcinha e sutiã como roupa de banho, batizando de biquíni o conjunto e revolucionando a história do maiô.

E foram as mulheres francesas, em seus míticos balneários, que tiveram a ousadia das exibições primaciais do corpo, exatamente o oposto do que permitem vestes puritanas que a lógica batizou de “burkini”.

A questão é complexa, não porque as feministas vejam nos macacões e gorros usados pelas muçulmanas uma ameaça à liberdade, mas porque a simbologia que lhes é imposta é a mesma das metralhadoras, homens-bomba e caminhões desgovernados.



A verdade nua e crua

Data: 16/08/2016
14:12:31

Impossível esquecer a resposta de Leonel Brizola a César Maia, que concordava com frase de Roberto Campos segundo a qual as estatísticas, como os biquínis, mostram quase tudo, mas escondem o essencial. “César, você está trabalhando muito e não tem ido à praia ultimamente”.



Do encharcado espírito olímpico

Data: 16/08/2016
14:11:42

Diria o vulgo: corrida com barreiras debaixo de chuva é sacanagem.



Do estressado espírito olímpico

Data: 16/08/2016
14:11:09

Tendo queimado a largada em prova dos 110 metros com barreiras, o francês Wilhelm Belocian foi de uma falta de educação planetária.

Saiu em marcha louca, praguejando, o que até é razoável como reação à eliminação. Mas pular e derrubar com desprezo três ou quatro barreiras, a última com a mão, não há Barão de Coubertin que aguente.



Do lúdico espírito olímpico

Data: 16/08/2016
14:10:17

Na mesma prova, o brasileiro João Vitor de Oliveira se atirou sobre a linha de chegada, surfando na poça d’água para garantir a classificação.

Depois, deu entrevista das mais bem humoradas, contando as dificuldades que teve para seguir na carreira e participar de uma Olimpíada.

O estilo “aviãozinho”, ele usa sempre que acha que pode decidir. Já lhe custou até uma fratura de costela.



Levantamento de sarrafo

Data: 16/08/2016
14:08:11

A segunda medalha de ouro do Brasil, de Thiago Braz, no salto com vara, teve o efeito colateral de apagar o vexame da quebra do elevador que conduz o sarrafo aos ganchos.

Em grande parte da prova, o equipamento teve de ser colocado na mão grande, com comissários usando instrumentos que lembraram o velho corrupixel.



De cela, celular e célula

Data: 16/08/2016
14:06:16

Melancolicamente, constatamos que José Dirceu, ídolo de muitas gerações de estudantes, está novamente na clandestinidade.

Na cela que divide com o ex-deputado Luiz Argôlo, foi achado um carregador de celular, o que sugere contatos com o mundo exterior, sabe-se lá para quê.



Apenas uma teoria conspiratória

Data: 16/08/2016
14:05:35

No Tribunal Superior Eleitoral, vai-se retardando, agora por causa de mais tempo para certa perícia, a ação que questiona a legalidade da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, vencedora da eleição presidencial de 2014.

Uma burocracia aqui, um pedido de vista ali, e lá se vão os três meses e meio que faltam para acabar o ano. Se a cassação de, a esta altura, Temer, não sair até 31 de dezembro, mesmo que o seja depois, seu sucessor será eleito pelo Congresso.



Polícia x polícia

Data: 16/08/2016
14:04:32

Alvíssaras, como nos tempos avoengos, à ação das Polícias Militar e Civil que resultaram na prisão de um cabo e um soldado acusados de extorsão.

É um caso a ser acompanhado, por ser exemplar: a polícia é uma instituição necessária, mas para ter o referendo da sociedade há que lutar primeiro pela própria depuração.

Como é opressivo para o cidadão quando constata que seus direitos, às vezes, estão nas mãos de criminosos iguais aos que os próprios policiais combatem...



Voltas do mundo: boicotado agora é um ACM

Data: 15/08/2016
18:27:57

Em entrevista à imprensa, o prefeito de Salvador acusa o governador do Estado de boicotar sua administração, permitindo que a Embasa, sem licença, esburaque ruas, praças e avenidas que acabaram de ser recapeadas.

Não fosse pelo gênero da primeira autoridade, poder-se-ia imaginar que estamos há vinte e poucos anos, quando a cidade tinha uma prefeita, Lídice da Mata, que fazia justamente essa denúncia do então governador Antonio Carlos Magalhães.

Entretanto, a notícia é atual, com a ironia de o queixoso ser o prefeito ACM Neto e o governador, Rui Costa, aliado da mesma Lídice. E mais: o prefeito insinua que o governador o persegue porque já o considera adversário na eleição de 2018.



Prefeito aponta da dor de cotovelo à má vontade

Data: 15/08/2016
18:25:39

É possível que Neto, de fácil e convincente discurso, negue essa interpretação, mas na entrevista concedida ao site Bahia Notícias consignou: Rui tem “obsessão” inexplicada por atacá-lo, quando, “ao que se saiba, o governador não é candidato a prefeito”.

Sobre eleições, mentiu: “Não consigo enxergar nada que não seja 2016, só tenho em mente a eleição de 2 de outubro. As pessoas especulam muito sobre 2018, perguntam sobre candidatura a governador. Confesso que sequer aceito conversar sobre essas especulações”.

Pelo sim, pelo não, o prefeito desceu a ripa. Qualificou de “dor de cotovelo” a crítica de Rui à obra do Rio Vermelho e se disse vítima de “reiteradas demonstrações de má vontade pessoal” por parte do governador, do qual não recebe “nenhum apoio”.



País espera decolagem da "potência olímpica”

Data: 15/08/2016
18:21:14

Dois anos atrás, tudo era um sonho romântico para muitos e político-financeiro para uma elite privilegiada, usando saudosa expressão que embalou pregressas juventudes.

O superintendente de esportes e hoje diretor executivo do Comitê Olímpico Brasileiro, Marcus Vinicius Freire, estabelecia: “O objetivo é tornar o Brasil uma potência olímpica em 2016”.

Pela pretensão, entenda-se: conquistar até 28 medalhas e chegar no máximo em décimo lugar na classificação geral. Em 2012, em Londres, os atletas brasileiros ganharam 17 medalhas.

Nesse ponto, surge uma controvérsia: o COB soma todas as medalhas para definir a posição, enquanto o COI considera prioritariamente as de ouro, critério que deixa o país no 22º lugar, contra o 15º pretendido pelo COB.

Para os Jogos do Rio, o governo investiu US$ 600 milhões em programas com nomes sugestivos, como Bolsa-Pódio e Plano Brasil Medalhas, destinados ao preparo das equipes, mas até agora sem efeito prático.

O Brasil ocupa o 29º lugar com uma medalha de ouro e sete outras. além duas garantidas por antecipação. Para atingir a meta dos dirigentes, precisaria chegar, pelo menos, a seis ouros, que é o que tem hoje a Coreia do Sul, dona da posição.



Dentro dos conformes

Data: 15/08/2016
18:11:41

Diz-se que dez mil atletas participam, no Rio, dos Jogos Olímpicos.

O nadador americano Ryan Lochte, assaltado ontem quando transitava num táxi pela cidade, representa 0,01% desse contingente.

Ou seja, seu caso está, mais ou menos, no índice de assaltabilidade da população carioca.



Ovelha desgarrada

Data: 15/08/2016
18:10:16

Mas também quem manda abandonar sua turma e arriscar-se por aí? Isto aqui não é o Iraque, onde o atleta estaria mais seguro. Ou até Paris.

Lochte deve ter desprezado a orientação da embaixada americana, da chefia da delegação ou de quem bom senso tivesse para dizer: “Se saia”.




Página Anterior   Próxima Página