Salvador, 04 de agosto de 2015

Vê se pode

Data: 04/08/2015
14:37:24

Site político desta capital afirma que o PDT ofereceu filiação ao senador Walter Pinheiro e ao ex-governador César Borges. Mas como os dois são incompatíveis, leva quem chegar primeiro.



Bradesco gastou uma pontinha com o HSBC

Data: 03/08/2015
23:36:15

Coube ao deputado Adolfo Menezes (PSD) definir o clima da Assembleia Legislativa no reinício dos trabalhos, hoje, após o recesso de julho: “A gente nem tem ânimo para falar a um plenário vazio”.

O painel eletrônico indicava a presença de 45 deputados, contra quatro “em pleno corpo físico”, como diria o poeta. Mas a sessão prosseguiu, e outros parlamentares foram chegando – e discursando.

Menezes se concentrou na transação bancária do momento: “É escandaloso! O Bradesco comprou a operação do HSBC no Brasil com o lucro de um semestre. Assim estão todos os bancos, e o país vivendo em dificuldades”.

Na verdade, o Bradesco lucrou R$ 8,7 bilhões no primeiro semestre deste ano e adquiriu o controle do HSBC por R$ 17,6 bilhões. O que não invalida a estranheza do deputado, pois é igualmente imoral a capacidade de fazer tal negócio com o lucro de um ano.



Licitação em mira para transporte complementar

Data: 04/08/2015
14:30:37

O deputado Herzem Gusmão (PMDB) deu entrada em projeto para regulamentar o transporte alternativo no Estado da Bahia, sendo informado pelo deputado Bira Corôa (PT) de que uma lei sancionada em 2008 pelo então governador Jaques Wagner já trata do assunto.

A preocupação do deputado conquistense era com uma notícia dada pelo líder do gvoverno, Zé Neto (PT), de que um termo de ajuste e compromisso a ser assinado pela Agerba garantiria a legalização de 269 linhas nas Regiões Metropolitanas de Salvador e de Feira de Santana.

Como apelou para que esse benefício fosse estendido a outros grandes municípios do Estado – citou Vitória da Conquista, Jequié, Itabuna e Juazeiro –, Herzem foi novamente esclarecido por Bira: o TAC em preparação destina-se à licitação de 270 linhas em diversas regiões.

Herzem destacou a importância econômica do transporte alternativo, feito por vans e micro-ônibus, oficialmente chamado de complementar, “na integração de cidades-polo com povoados e municípios”, e disse que “as grandes empresas atendem mal à população”.



Régis vê pedalada e Zé Neto diz que é sonho

Data: 03/08/2015
23:30:24

A paralisação de 157 obras de responsabilidade da Secretaria da Educação por falta de pagamento, conforme nota pública das empresas executoras, foi criticada pelo líder da oposição, Sandro Régis (DEM), que acusou o governo de ter recebido os recursos, do FNDE, e não repassado às contratadas.

“Usar esse dinheiro para outra finalidade é mais uma pedalada, a velha pedalada, como fez o governador Jaques Wagner quando antecipou o recebimento dos royalties do petróleo para pagar despesas correntes”, disse Régis, discursando da tribuna.

Mais tarde, pela imprensa, o líder do governo, Zé Neto (PT), contestou: “Esse negócio de pedalada não tem sentido. Eles estão sonhando com bicicleta”. Disse que se trata de uma “questão administrativa” e que vistorias estão sendo feitas para retomada das obras, que “estão atrasadas”, mas sem “má-fé ou irregularidade”.



Geddel antevê PMDB fora

Data: 03/08/2015
14:35:37

O ex-ministro Geddel Vieira Lima informou em entrevista à Tudo FM que terá amanhã, em Brasília, uma reunião com “os dissidentes do PMDB” para discutir as ações que promoverão para levar o partido a romper com a presidente Dilma Rousseff.

Indagado pelo jornalista Samuel Celestino se havia uma dissidência no PMDB, Geddel não só confirmou, como disse que passou o tempo em que ele clamava “sozinho no deserto” e que é muito provável a saída do governo na convenção nacional, em setembro.



Veja teme prejuízo e Lula com “impeachment”

Data: 03/08/2015
11:58:05

A revista Veja é, indiscutivelmente, o carro-chefe do que petistas e agregados chamam de “Partido da Imprensa Golpista”, de sigla PIG, não por acaso palavra que, em inglês, significa “porco”.

Para se ter uma ideia do radicalismo da publicação, basta uma olhada na seção de cartas dos leitores, onde só saem críticas e ataques ao governo federal, além de fartos elogios às “maravilhosas” matérias que publica.

Por isso, é de se concluir como de baixa repercussão na mídia recente artigo do principal formulador teórico da revista, o jornalista Roberto Pompeu de Toledo, em que praticamente se joga a toalha sobre a ideia de impeachment da presidente Dilma.

O texto relaciona razões múltiplas para tal postura, mas a principal está embutida, ou velada, para usar termo em voga no conturbado momento nacional: a perspectiva de perdas abissais nos negócios públicos e privados da Editora Abril com o agravamento da crise econômica.

Preocupado em “não sacudir demais o barco Brasil”, o articulista distingue a solução de 1992, quando Fernando Collor foi derrubado para a posse de Itamar Franco, do quadro atual.

A ebulição política de um processo de impeachment seria grande fator de dificuldade de recuperação do país, diante da “herança de Dilma”, e isso poderia resultar no fortalecimento do nome do ex-presidente Lula para 2018.



Longe dos olhos e do coração

Data: 03/08/2015
11:55:55

Com a popularidade cada vez mais baixa, a presidente Dilma Rousseff tem participado de eventos fechados, em que fala distante da massa. Mas cedo ou tarde terá de enfrentar a realidade, pois faltam 41 meses para encerrar o mandato.

A Câmara dos Deputados e o Senado não contribuem para melhorar a imagem da presidente, pois aprovam medidas demagógicas que afundam qualquer ajuste fiscal e a obrigam a vetá-las, o que carreia mais antipatia.

Dilma poderá ficar comodamente reclusa por quase todo o tempo, sem aparecer nem na televisão. Pensar no que fazer para fugir das vaias só precisará daqui a um ano, na abertura dos Jogos Olímpicos.



Chabu monumental

Data: 03/08/2015
11:54:36

Passados quatro dias, ninguém conhece o saldo do encontro da presidente Dilma com os governadores, do qual, pela representatividade, se esperava algum anúncio de impacto ou decisões que sinalizassem para o alívio da crise.

A presidente disse que os convidados “apresentaram posições, sugestões e encaminhamentos importantes para o país”, tudo no genérico. E da boca dos governadores nada se ouviu de significativo. O evento teve seu curto brilhareco midiático e só.



Assessoria de fôlego

Data: 03/08/2015
11:53:43

Interessada em completar a “travessia”, a presidente Dilma pensa agora em nomear para o núcleo duro do Planalto os nadadores baianos Alan do Carmo e Ana Marcela.



Não colou

Data: 03/08/2015
11:52:54

Tentaram de todo modo transformar a bomba caseira jogada na porta do Instituto Lula em “atentado terrorista” e “intolerância política”, quando aquilo não passou de um vandalismo vulgar, cujo praticante deve ser identificado e responder penalmente.

Foi a ação de um irresponsável, mas na atual situação de deterioração do governo, qualquer argumento serve para diluir as atenções e a pressão. Tanto que se apressaram a protestar a própria presidente Dilma e o ministro da Defesa, Jaques Wagner.

Não é preciso dizer que o Brasil está longe dessa perspectiva explosiva, que em países imersos na violência política e religiosa mata milhares de pessoas e destrói o patrimônio. O ataque ao Instituto Lula foi apenas um protesto insano.



Uso restrito

Data: 03/08/2015
11:51:25

Bomba, no Brasil, só dois segmentos estão autorizados a utilizar: as pedreiras e os assaltantes de banco.



Tropa de elite

Data: 03/08/2015
11:50:48

Assaltado o prédio onde o ministro Jaques Wagner tem sua residência, na Vitória, a Polícia Militar iniciará um curso para “capacitar porteiros de edifícios” em segurança.

A primeira turma será amanhã, num processo cujo objetivo é treinar, até o fim do ano, 300 profissionais de prédios da Graça, Barra e Vitória.

Pernambués, Boca do Rio, Caixa d’Água, Liberdade e Massaranduba – nem pensar.



Medo da PM é menor do que se pensava

Data: 01/08/2015
21:28:31

A conclusão da pesquisa Datafolha de que 62% dos moradores de cidades com mais de 100 mil habitantes têm medo de agressões da Polícia Militar é uma surpresa, pois se imaginava que esse número fosse maior.

Grande parte dos policiais militares – um potencial que não se pode estimar – é a projeção do ser humano frustrado que se desenvolve numa sociedade sem oportunidade e sem perspectiva. Que educação se oferece aos brasileiros?  Que esperança, concreta e objetiva, o povo tem para o futuro?

É dessa juventude, que nasceu e viveu em condições de sub-habitação, com escola de má qualidade, sem assistência à saúde, que provêm muitos homens a que o Estado dá armas e “autoridade”, sem considerar o passivo psicológico de cada um, sempre em condições de emergir.

O desejo de ser policial militar não pode ser analisado como vocação, mas como uma alternativa de mercado de trabalho, que, ainda mais, está em expansão, porque o crime e a violência se expandem e cada vez mais se justifica o aumento de contingente.

Obviamente, a maioria não sonha em entrar para uma profissão cuja marca é o enfrentamento de criminosos perigosos, que significa a vida em risco permanentemente, e a submissão a regimes rigorosos, que prejudicam as relações sociais e familiares.

Uma corporação dessa natureza teria de estar treinada e condicionada a agir dentro da lei, respeitando a cidadania pela qual é sustentada. Como isso é estatisticamente impossível, haveria um limite tolerável para os casos de erro ou excesso em situações de tensão e descontrole.

No entanto, o que vemos em geral nas Polícias Militares é a prática de arbitrariedade, truculência e outras transgressões e crimes num percentual que, devido à magnitude do número de agentes, resulta em quantidades absolutas inaceitáveis, que desqualificam qualquer democracia, não procedendo sua classificação de “casos isolados”.



O caso de um cidadão constrangido

Data: 01/08/2015
10:49:33

“Quem não deve não teme, mas vamos correr da PM” – nunca é demais recordar esse dístico da verdadeira sabedoria popular. Significa que, estando próximo a uma ação de policiais, mesmo não sendo a ela ligado, o cidadão corre perigo.

Poderia citar vários casos, mas vou me concentrar em um: dirigia pela Avenida Paralela, com a família, quando notei que subitamente o fluxo de carros estava parando. Procurei frear, desviando o veículo para evitar um choque. Já na faixa da esquerda, percebi o que acontecia.

Uma guarnição da PM, possivelmente em alguma perseguição, pouco depois do Condomínio Amazônia, entendeu de cruzar a pista a partir da faixa da direita, e seus ocupantes não hesitaram em bloquear repentinamente o tráfego, o que fizeram com altíssimo risco de acidente de proporções.

Tive a triste sorte de, involuntariamente, atrapalhar a manobra do destemido motorista, sendo imediatamente ofendido por ele e pelo que estava na janela de trás com palavrões e brandir de arma pesada. Em seguida, a viatura simplesmente subiu o canteiro central e foi para a outra pista, sentido Aeroporto.

Tenho convicção de que, na minha condição de cidadão, se reagisse, mesmo que polidamente, acirraria uma ira que poderia terminar com agressão, prisão ou morte. Se pessoas assim podem ser “defensoras da sociedade”, cabe às autoridades decidir.

É claro que esta não é uma regra geral. Eu próprio tenho parentes, amigos e colegas dentro da Polícia Militar e sei que essa não é a conduta que aprovam, no exercício da função ou fora dele. (LAG)



Treinamento precoce

Data: 01/08/2015
09:29:03

Um pequeno exemplo do que nos espera no futuro do Brasil: bacharéis em Direito que se preparam na escola JusPodivm, em Armação, para fazer concurso de juiz reservam lugares da sala para os colegas ainda ausentes.

O primeiro a chegar coloca pastas ou outros materiais nas cadeiras, que variam de dez a doze, garantindo que aquele grupo de amigos assista às aulas um ao lado do outro, certamente para trocar impressões e ideias.

Não é bom imaginar o conceito que têm de justiça, ética e igualdade nem o que poderão fazer quando paramentados pela toga.



Que a civilização evolua

Data: 01/08/2015
09:27:57

Até segunda ordem, reconheça-se no prefeito ACM Neto uma linguagem nova no panorama político.

Questionado sobre a vantagem de 25 pontos percentuais que teria sobre o governador Rui Costa numa dessas pesquisas fajutas, declarou:

“Torço para que o governo do Estado vá bem, para que possa atender bem aos baianos. Jamais sou daqueles que trabalham na lógica de que quanto pior, melhor. Para mim, quanto melhor, melhor”.

É um compromisso a ser rastreado e, se for o caso, cobrado no futuro. Algo do mesmo calibre das recorrentes referências do governador à melhoria das escolas e da educação.



Esclarecimento indispensável

Data: 01/08/2015
13:29:29

Não é possível que uma advogada abandone várias causas relativas ao mais rumoroso caso judicial do país dizendo-se ameaçada por deputados federais integrantes de uma Comissão Parlamentar de Inquérito e a denúncia fique por isso mesmo.

No atual estágio da Operação Lava-Jato, é indispensável que os fatos sejam esclarecidos à nação e seja cumprida a convocação da advogada Beatriz Catta Preta para depor na CPI.

Se ela se valer da prerrogativa recebida do Supremo Tribunal Federal para manter-se calada, ao que já tinha direito quanto ao sigilo profissional, que não cessa com sua saída do processo, então não estará dando a contribuição para que seja feita a justiça, que afinal é a essência de sua atividade.



A nação quer apenas os segredos do almirante

Data: 30/07/2015
15:18:21

O ministro Jaques Wagner surpreende mais uma vez quem o conheceu na fase ponderada, quando não era dado a bravatas e precipitações no trato das questões públicas, comportamento, aliás, que lhe acarretou grande simpatia nos meios políticos e jornalísticos.

Ao sair na defesa do almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, presidente licenciado da Eletronuclear, preso sob acusação de receber R$ 4,5 milhões de empreiteiras ligadas à construção da Usina Angra 3, o ministro bradou: “O programa nuclear brasileiro é intocável, não vai ser aberto”.

Ora, à cidadania basta que sejam abertas as contas particulares e outros sigilos do acusado, para comprovar ou não sua participação em atos ilícitos, dos quais, numa democracia, nem a qualificação técnica nem a contribuição patriótica à defesa nacional poderão livrá-lo.

Quanto ao programa nuclear, que seja preservado – e um dia o Brasil possa construir armas atômicas, porque este será, seguramente, no futuro, o diferencial entre nações de primeira e de segunda categoria no que se refere a soberania.



Magalhães Pinto

Data: 30/07/2015
15:16:52

Partidários de teorias conspiratórias não deixam de notar que o ex-governador da Bahia é pressuroso nos elogios pessoais e institucionais a altas patentes militares, com as quais procura demonstrar grande intimidade.

Não é por nada, mas diante da conjuntura política e econômica e da personalidade cada vez mais belicosa de Wagner, no cargo que ocupa seria candidato certo a chefe civil de uma improvável intervenção militar.



SACs e estacionamento

Data: 30/07/2015
15:16:07

Absolutamente lógica e procedente a proposta do vereador Odiosvaldo Vigas (PDT) para que o governo do Estado retire as unidades do Serviço de Atendimento ao Cidadão dos shoppings onde se cobra estacionamento.

“O SAC presta serviços públicos aos cidadãos de maneira gratuita, portanto não é justo quem precisa utilizar os serviços ter que pagar estacionamento. O Estado paga um aluguel que não é barato, então o serviço prestado não deve onerar o cidadão de forma alguma”, argumentou Odiosvaldo.



Bambas do PTN vão a Isidório

Data: 29/07/2015
21:18:20

Na iminência da deixar o PSC, o deputado Sargento Isidório pode tomar o caminho do PTN, o que seria um passo decisivo para concretizar uma candidatura importante a prefeito de Salvador.

Amanhã, o parlamentar recebe na Fundação Dr. Jesus uma dupla da pesada, os deputados João Carlos Bacelar, presidente regional do partido, e Alex Lima.

Informa-se que a ida faz parte da programação de visitas da entidade, que leva rotineiramente ao local políticos, autoridades, médicos, jornalistas e representantes de outros segmentos. Mas no clima atual não dá para convencer.

Ganhar a Prefeitura se tornou uma obsessão contida do governador Rui Costa, disposto a desenvolver um programa de obras intensivo na cidade até a eleição – daqui a 14 meses.

A estratégia é o lançamento de candidatos com penetração na capital, buscando provocar um segundo turno, quando todas as forças se alinhariam contra o prefeito ACM Neto.

Nomes com partidos não faltam, a exemplo da senadora Lídice da Mata (PSB) e dos deputados Antonio Brito (PTB) e Alice Portugal (PCdoB). Isidório é o único “bom de urna” que ainda não tem legenda.

Por outro lado, Bacelar e Lima estão altamente interessados em criar problemas para Neto, com quem tiveram choques de caráter pessoal que tornam irreversível a desavença.



O poderoso Temer

Data: 29/07/2015
21:16:25

No último dia 25, Por Escrito cometeu um dos mais graves equívocos do jornalismo brasileiro em quantos anos queira fixar o leitor.

Referiu-se  à reunião que a presidente Dilma pretende ter, amanhã, com todos os governadores, como uma “alta cúpula”, formada pelas “28 pessoas mais poderosas do Brasil”.

Lamentavelmente, omitiu aquele que, pela conjuntura, pode até ser considerado o mais poderoso, o vice-presidente Michel Temer, presidente de fato do partido (PMDB) que está doido para deixar o governo e ainda por cima articulador político desse próprio governo.

Como o vice já foi definido por este blog como “avalista da estabilidade” e “figura central da República”, compreende-se que terá sido um lapso.

Temer será – se houver e os convidados comparecerem – o vigésimo nono e ao mesmo tempo o primeiro da reunião.



Particulares explorarão vias públicas

Data: 28/07/2015
13:21:22

A terceirização é uma praga que atingiu o serviço público, anulando carreiras e invadindo mais funções do que seria razoável. Dizia-se que era para que o Estado se desincumbisse das atividades-meio e pudesse concentrar-se nas atividades-fim.

O efeito principal foi açambarcamento de papéis que caberiam diretamente à União, Estados e Municípios, em muitos casos cumpridos com incúria e acarretando danos aos direitos trabalhistas dos empregados.

Temos agora um exemplo discutível: a Prefeitura quer “privatizar” as áreas públicas usadas como estacionamento “zona azul”, sistema que seria extinto, e já adianta que os que hoje trabalham nesses locais serão absorvidos pelas novas empresas.

Na prática, virão tarifas mais altas para o sofrido cidadão soteropolitano, e a Prefeitura, que também tem suas dificuldades financeiras, transferirá a cofres particulares o dinheiro que poderia arrecadar sozinha. Quanto aos empregos, só esperando para ver.



Sindicato vê empresas incapazes

Data: 28/07/2015
11:21:28

Aliás, estão comendo o pão que o diabo amassou os terceirizados que prestam ao Estado da Bahia serviços de limpeza e vigilância, entre outros.

Vários direitos estão sendo postergados, a exemplo de pagamento de salários, férias, obrigações sociais e abonos, mesmo depois que o empregado é desligado.

O curioso é que a Assembleia Legislativa aprovou no ano passado a Lei Anticalote, que aparentemente não está sendo respeitada.

Segundo a coordenadora do Sindlimp, Ana Angélica Rabelo, as irregularidades acontecem “porque as empresas não têm condições de assumir os contratos e acabam prejudicando o trabalhador terceirizado”.



Para Dilma, trabalho é mais eficaz que passeio

Data: 28/07/2015
11:20:13

Informa-se que o ex-presidente Lula e o ministro Jaques Wagner são os mentores de um giro da presidente Dilma Rousseff pelo Nordeste para tentar reverter a queda de popularidade que sofreu na região onde teve sua maior base de apoio.

É um programa mais fadado a fracasso que a sucesso, pois se caracteriza pela superficialidade  do pensamento de “articuladores políticos” que parecem não enxergar um palmo diante do nariz e querem “divulgar investimentos e inaugurar obras de forte apelo popular”.

Dilma e seu antecessor Lula foram os grandes beneficiários das políticas voltadas para a população nordestina desenvolvidas em três governos consecutivos, mas a aprovação que tinham deteriora-se rapidamente pela crise fiscal que restringe direitos e pela imagem pouco edificante projetada pela corrupção.

Os índices desabam perigosamente, e seria por certo mais eficaz que os governantes se concentrassem em buscar soluções consistentes e duradouras que possam mudar o quadro mais adiante. Turismo presidencial, mesmo em tão importantes companhias, não vai resolver nada e ainda pode piorar as coisas.



Fundação retira jovens do crime e das drogas

Data: 28/07/2015
11:18:15

A impressão de quem passa um dia na Fundação Dr. Jesus é de que, quando nada, o trabalho de recuperação de dependentes químicos lá realizado dá grande contribuição à segurança pública na Bahia.

É espantoso ver que mais de mil pessoas saídas da mais extrema condição da miséria humana podem ter comportamento tão disciplinado sem que, para isso, precisem ser submetidas a medicamentos ou castigo físico.

Observando as cerimônias de recepção de novas pessoas e despedida de outras, desintoxicadas e preparadas para o mercado de trabalho, os visitantes não deixam de comentar: “Já pensou esse povo todo nas ruas, drogado e de arma na mão?”

“Não temos remédio aqui, só uma busca da cura pela fé e por atividades lúdicas”, explica o coordenador do projeto, deputado e pastor Sargento Isidório, que se orgulha de ter conseguido êxito com 60% dos 38 mil internos que já passaram pela Fundação em 24 anos de existência.



Quem cumpre o período aprende uma profissão

Data: 28/07/2015
13:24:54

O importante, segundo ele, é que “fica quem quer”, por um período que pode ir de nove meses a um ano. As três unidades, todas na BR-324, não têm muros, mas quem eventualmente ultrapassar o que Isidório chama de “linha imaginária” paga uma punição para ser reintegrado.

É a “turma da camisa azul”, que enquanto durar a restrição não pode praticar esportes nem usar a piscina, “fica só nos estudos bíblicos e comendo feijão com arroz”, diz o parlamentar, realçando a qualidade e variedade da comida oferecida diariamente.

A “camisa vermelha” é destinada a quem cometeu falta mais grave, como agressão ou tentativa, porte de faca ou similar e uso de drogas, mas, segundo Isidório, são “pouquíssimos”. Ele diz que “há uma consciência” entre os próprios internos, que “botam pra fora quem se comporta assim”.

A Fundação Dr. Jesus tem cursos profissionalizantes de corte e costura, marcenaria, carpintaria, solda elétrica, forno e fogão, padaria e confeitaria. “Quando sai daqui,  o aluno tem meios de sobreviver com o próprio trabalho”, reforça Isidório.



Pátria educadora

Data: 28/07/2015
13:26:25

Atividades foram paralisadas na Faculdade da Administração e na Escola Politécnica da Ufba com a suspensão do fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento.

O prédio da Reitoria só não ficou sem luz porque a turma da Coelba aceitou um acordo de adiamento do corte. A situação foi contornada ainda na tarde de ontem, com o envio urgente de recursos pelo Ministério da Educação.

As universidades federais em todo o país vivem em crise permanente, e as baianas não são exceção, com cortes de verbas e greves, como se  encontra a própria Ufba desde 27 de maio.



Fies é apenas um fator da crise fiscal

Data: 27/07/2015
18:26:54

Em tese, o PT estava certo. A questão social se resume à distância entre ricos e pobres –  uns, na mais extrema miséria, outros, locupletados legal ou ilegalmente na farra desenfreada do dia a dia.

Ir em direção ao equilíbrio dessa balança, portanto, é o correto, mas, uma vez que isso não ocorra por meio de uma revolução, pela tomada do poder discricionário, é necessário seguir as normas vigentes, nada de irresponsabilidade ou romantismo.

Veja-se o caso do Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies, que é uma das faces da política de educação superior do governo. Cresceu sete vezes de 2010 a 2013, chegou a 1,5 milhão de contratos, ou seja, a metade da diferença, em votos, de Dilma Rousseff para Aécio Neves no segundo turno de 2014.

Sobrevinda a crise, não há dinheiro para atender à demanda, sobem de 3,4% para 6,5% os juros, esgotaram-se os R$ 2,5 bilhões previstos para 2015, e quem estiver no meio do caminho do seu curso universitário que se vire.

Os 731 mil contratos assinados no ano passado minguaram para 252 mil no primeiro semestre desde ano, uma queda proporcional de 65%, sinalizando para a recolocação do programa nos moldes originais, se não sua extinção.

Nesse gigantesco negócio, ganharam principalmente as universidades privadas, às quais foram destinados, nos últimos cinco anos, R$ 13 bilhões, para um crescimento de 10% no número de estudantes.



A expansão do péssimo ensino público

Data: 27/07/2015
18:22:56

O orçamento revisado – quer dizer, cortado – da educação para 2015 é de R$ 39 bilhões, três vezes o “investimento” do Fies no último ano do governo Lula e nos três primeiros do governo Dilma.

Ao mesmo tempo, se propaga outra vertente da política educacional, que é o aumento das universidades federais, que, na Bahia, passaram de uma para cinco.

É mais estatística, no entanto, do que conteúdo. Se a tradicional e consolidada Ufba é a nongentésima nonagésima segunda do mundo, imagina-se que posições ocuparão as demais, em geral meros prédios com professores insatisfeitos e alunos com parcas condições de estudo.



Uma Justiça de encabular

Data: 27/07/2015
18:21:50

Foi de gente lá de dentro a frase que define a existência da três Justiças no Brasil: a boa, a ruim e a baiana.

Parece claro: a boa fará o bem, a ruim fará o mal e a baiana você não sabe o que irá fazer.

Como no caso da decisão-relâmpago, e já contestada, da juíza Marivalda Moutinho inocentando os nove PMs do massacre do Cabula, o que acrescenta mais uma página controversa a sua história como magistrada.

Mas ela poderá recorrer ao maior mestre do Direito pátrio, Ruy Barbosa, que definia a justiça tardia como injustiça. Célere, ela teria feito justiça.



Hors concours

Data: 27/07/2015
18:18:44

Salvador já ganhou o título de Cidade da Música Alta.



“Aliados” testam as qualidades de Temer

Data: 28/07/2015
08:44:29

Figura central da República num momento em que se aventa a possibilidade de impeachment presidencial, o vice-presidente Michel Temer é o foco natural do mundo politico com a “descoberta” de aspectos de sua personalidade que há décadas estão expostos ao público.

Os elogios vão do temperamento pacífico, que exclui os arroubos, ao gosto pelo diálogo e pela ponderação, além da postura legalista que lhe impõe a própria condição de doutor em Direito Constitucional. Foi como magistrado que presidiu a Câmara dos Deputados e, sobretudo, o conglomerado de interesses residentes no PMDB.

São qualidades assim que os “amigos” de Temer estão agora pondo à prova, oferecendo-lhe, entre meneios ofídicos, a maçã de três anos de poder. O vice-presidente recusa a pressão e exibe o perfil de quem não quer passar à história pelo oportunismo, mesmo porque chegaria à presidência sob compromissos que o imobilizariam.

Temer colocou as cartas claramente na mesa: anuncia o distrato entre seu partido e o PT para 2018, o que sugere a preservação do mandato da presidente Dilma, e exclui também qualquer manobra contra o correligionário Eduardo Cunha. Com gestos largos a um lado e a outro, ele espera levar esse barco emproado até o fim da “travessia”.



O verdadeiro apelido

Data: 27/07/2015
18:16:31

Matéria recente da Folha de S. Paulo afirma que o falecido senador Antonio Carlos Magalhães apelidou Temer de “mordomo de velório”.

Não fora a obviedade de que velório não tem mordomo, o verdadeiro apelido foi “mordomo de filme de terror”, com o qual ACM reagiu a uma das poucas vezes em que Temer subiu o tom.

É que, em 1999, Temer não gostou de que ACM, então à frente do Senado, tenha tentado interferir na reforma do Judiciário, cujo projeto tramitava na Câmara, que ele presidia.

No seu estilo, o senador fez insinuações sobre a honestidade de Temer, sugerindo que tinha interesses na privatização do Porto de Santos e em matérias legislativas que poderiam ter relação com seu escritório de advocacia.

A resposta veio quente: “Em matéria de moral, eu dou de dez a zero nele”. O hoje vice-presidente acrescentou ainda que ACM “deveria cuidar do Ângelo Calmon de Sá”, referência ao dono do falido do Banco Econômico.

Muito ligado ao banqueiro, ACM teria recebido, em 1990, doações de campanha ilegais para eleger-se governador, sobre as quais se constituiu um dossiê que, na época, ficou conhecido com “o caso da pasta rosa”.



Aos temerários

Data: 27/07/2015
18:14:28

“A liberdade não é um luxo dos tempos de bonança; é o maior elemento da estabilidade”. (Ruy Barbosa)



Amidos do mesmo farnel

Data: 27/07/2015
18:13:54

Personalidades diversas do PT manifestaram aprovação à possibilidade, já oficialmente descartada pelo desejável interlocutor, de uma reunião entre a presidente Dilma, o ex-presidente Lula e o convidado especial Fernando Henrique Cardoso.

A maioria revela apenas pavor diante da galopante deterioração do quadro, mas desse grupo se exclua o ministro Jaques Wagner, que sempre deu prioridade a qualquer tipo de conversa, a menos que pisem num dos calos que criou nos anos de poder.



Sem anéis, Dilma entregará os dedos dia 30

Data: 25/07/2015
20:22:11

Concretizou-se a ideia do senador Walter Pinheiro (PT) de uma reunião da presidente Dilma com os 27 governadores, que já está sendo programada para quinta-feira da próxima semana, ainda, portanto, em julho, como queria o parlamentar baiano.

É discutível, no entanto, a interpretação de que o “objetivo principal” da presidente seja pedir a ajuda dos governadores, em nome da estabilidade do país, para a aprovação de medidas de seu previamente dilacerado ajuste fiscal. Ela é quem vai “dar” a governabilidade aos visitantes, não o contrário.

Se evoluiu na compreensão da política, especialmente na presente circunstância, Dilma deverá colocar como item número um de sua pauta ouvir o que lhe será dito num raro momento de alta cúpula nacional, em que se reúnem as 28 pessoas mais poderosas do Brasil.

A “grave crise política e econômica”, como está sendo chamada, tem sua assinatura em muitas páginas, a começar por certo absolutismo decisório que lhe tirou apoio até nas próprias bases, fruto da dificuldade de avaliar quadros reais de conflito, como o que levou Eduardo Cunha à presidência da Câmara.

Outro fator, apesar de ter sido eleita sob os auspícios de seus métodos de gestão, seria a incúria administrativa ou coisa pior que tenha gerado uma via láctea de corrupção, isso desde os tempos de presidente da Petrobras.

Mas nenhum terá sido tão tecnicamente decisivo quanto o crescimento dos gastos públicos no ano eleitoral de 2014, da ordem de 21,3% do PIB, contra 18,9% do ano anterior, o que já era um recorde.

O déficit entre receita e despesa do governo federal no ano passado foi de R$ 17,2 bihlões e a meta para 2015 acaba de ser rebaixada de 1,2% do PIB, o que daria R$ 66,3 bilhões, para 0,15%.

Em 2013, o superávit foi de R$ 77 bilhões, equivalentes a 1,6% do PIB, e em 2012 tinha sido maior ainda, de R$ 88 bilhões ou 2% do PIB.  São números produzidos na gestão Dilma, que ela usou em seu favor nas urnas. Portanto não pode esperar que os governadores lhe passem a mão na cabeça.

Apelo a patriotismo é coisa para jornalistas e articulistas em geral, com obrigação politicamente correta de desejar ardentemente que do encontro do dia 30 saia algo de bom para nós, viventes – com a ressalva de que parâmetros mínimos podem ser estabelecidos para evitar a explosão da economia.

Mas a tendência maior é de uma ação de depenamento da presidente no que até agora não foi possível e uma relação maior de dependência na busca do tênue equilíbrio. Ela vai sair da reunião com menos poder do que tinha ao “convocá-la”, verbo particularmente impróprio no atual contexto, pois para encontros desse tipo se convida.



Mistificação tem limite

Data: 25/07/2015
15:03:38

Que o ex-presidente Lula engane “a nova classe média” com falsa indignação, dizendo-se “cansado de agressões à primeira mulher que governa esse (sic) país”, compreende-se, pois isso faz parte do ânimo demagógico que o levou a nomear “o primeiro negro” para ministro do STF.

Resta saber como reagirão, ainda que intimamente, os verdadeiros esquerdistas ante a referência à “perseguição que tentam fazer às esquerdas nesse (sic) país”.

Será que tais militantes, que um dia foram representados, entre tantos outros, por Carlos Marighella, Luís Carlos Prestes, Apolônio de Carvalho, Mário Alves, Armênio Guedes, Giocondo Dias e Pedro Pomar, se sentem representados por Lula?

Chega de alegações de “conquistas sociais que incomodam a elite perversa”, basta de denúncias de “clima de ódio e intolerância que se estabelece nesse (sic) país”, fora com comparações com “nazistas criminalizando o povo judeu” e “romanos criminalizando o povo cristão”.



Letras em ebulição

Data: 25/07/2015
14:59:50

No eterno jogo de palavras deste país, o Uber tá dando rebu.



Fundamentalismo caboclo

Data: 24/07/2015
22:40:49

No Brasil, está em grande expansão o Estado lâmico.




Página Anterior   Próxima Página