Salvador, 18 de abril de 2014

Escola para quem precisa de escola

Data: 18/04/2014
11:20:04

Em memorável editorial intitulado “Polícia e comunidade”, publicado em 1976, na fase de maior respeitabilidade da Tribuna da Bahia como veículo de comunicação, João Ubaldo Ribeiro, então seu editor-chefe, lançou um repto sobre o regime militar.

Num tempo de censura e risco de vida, em pleno governo também sanguinário do presidente Ernesto Geisel, Ubaldo ousou protestar contra a agressão ao fotógrafo Milton Mendes pela Polícia Militar, quando cobria a ocupação, pelos sem-teto da época, da famosa Invasão do Marotinho.

Após atribuir aos policiais “QI pleistocênico”, sentenciou, mais ou menos nestas palavras, que arriscamos aspear: “A polícia é algo que todos gostaríamos que não existisse. A imprensa, não”.

Para os que viveram a atmosfera de terror da ditadura, foi um ato de bravura, ainda mais porque as PMs, em todo o Brasil, eram subordinadas às Forças Armadas, através de uma Inspetoria Geral das Polícias Militares, sendo comumente um general do Exército o comandante nos Estados.

Ubaldo traduzia o sonho de uma sociedade ideal, onde o ser humano, usando sua inteligência e movido pela solidariedade, construísse uma convivência harmônica, produtiva e feliz, que não tivesse o crime e dispensasse as prisões.

Tais considerações surgem das cenas vistas em Salvador nos dois dias da greve da PM. Sabemos que vivemos numa cidade conflagrada, como o resto do país, e que bandidos certamente aproveitariam uma situação dessas para assaltos e acertos de contas.

O que seria difícil imaginar, apesar do quadro de miséria que se alastra em nossas periferias, é que fosse ocorrer um verdadeiro levante popular criminoso, com pessoas de todas as idades saindo às ruas para arrombar e saquear supermercados, bancos, lojas, borracharias, salões de beleza e o que mais encontrassem.

Não adianta, simplesmente, culpar o povo, falar em valores morais, quando a carência material, as aspirações frustradas, a falta de oportunidades e de horizontes estão na maioria dos lares – soteropolitanos e brasileiros.

Essas pessoas, mesmo com a desassistência crônica que acompanha suas vidas, têm princípios. Apenas os subverteram em razão da consciência cada vez maior de que o Estado, organizado em tese para promovê-las e protegê-las, é a razão maior de sua desgraça.

Os fatos da capital baiana demonstram claramente o imenso paiol sobre o qual nos equilibramos, a uma centelha da explosão. E cobram um compromisso dos governantes e dos cidadãos com responsabilidade para desativação dessa bomba.

Obviamente, só mesmo numa completa utopia a humanidade atingiria o nível de existência suposto pelo grande escritor e jornalista, mas à política cabe um contínuo esforço para a evolução social que, em última análise, contribua para reduzir a necessidade da polícia.

Em vez disso, em vez de implantar-se no país um amplo e revolucionário sistema educacional que salve nosso maior patrimônio – as crianças brasileiras – e desafogue o futuro, preferimos a construção de mais presídios e o aumento contínuo dos efetivos policiais.

A lógica do egoísmo prevalece, e um exemplo está na Copa do Mundo e nos Jogos Olímpicos, que vamos fazer para atender à volúpia financeira de grupos empresariais e a interesses políticos rasteiros, e para isso o que é fundamental? Polícia, eufemisticamente chamada de “segurança”.

Caso as próprias corporações especializadas, com suas UPPs e, na versão baiana, “bases de segurança comunitárias”, não sejam suficientes, que se convoque a Força Nacional. Se esta não der conta do recado, que venham o Exército, a Marinha e a Aeronáutica, contanto que ninguém atrapalhe as competições. E até o próximo saque.

Especialista recomenda moderação com celular

Data: 18/04/2014
11:09:53

As ligações em telefones celulares devem ter, no máximo, seis minutos, de preferência com fones de ouvido, e são desaconselhadas em ambiente fechados, como os automóveis. Além disso, o uso dos aparelhos pelas crianças deve ser desestimulado.

As recomendações foram feitas pelo especialista Roberto da Costa e Silva em depoimento à CPI da Telefonia, na Assembleia Legislativa. Embora ainda não estejam comprovados cientificamente os danos que os celulares causam à saúde, essas são medidas preventivas que os usuários podem adotar.

A Organização Mundial da Saúde colocou a radiação dos telefones móveis no mesmo nível de perigo que a emissão de gases por automóveis, o chumbo e o clorofórmio, o “grupo 2-B”, “possivelmente carcinogênico para humanos”.

O Brasil tem 210 milhões de aparelhos, o que significa um grande potencial de risco. O engenheiro Roberto teme que exposições prolongadas possam causar um colapso em mecanismos do corpo humano, como temperatura, pressão, respiração e batimento cardíaco.

PT sinaliza mudança ao julgar Vargas

Data: 18/04/2014
11:07:11

O PT nasceu e cresceu como o partido pregador da ética, a tal ponto que havia uma crença generalizada na pureza insuperável de seus militantes, sempre vigilantes quando se tratava dos recursos públicos ou de métodos condenáveis de atuação política.

Foi um mito que, como se sabe, desvaneceu-se, sendo o caso emblemático desse processo o escândalo do mensalão, embora poucos anos antes o assassinato do prefeito Celso Daniel tenha indicado que havia algo de podre no reino do ABC paulista.

Entretanto, o partido não se deu por vencido e recusou-se a descer do pedestal onde ainda se imaginava plantado, e passou a defender, em atos, palavras e até campanhas financeiras, os “companheiros injustamente condenados”.

Tal comportamento deu a seus principais adversários um discurso vigoroso. DEM e PSDB, que em tempos remotos eram o alvo da ira puritana petista, vangloriaram-se: “Nossos corruptos, nós expulsamos”.

Pois agora, com o episódio do deputado André Vargas, tudo indica que a prática vai mudar no PT, que até já fala em “conselho de ética” para expulsar o parlamentar, envolvido com um doleiro preso sob acusação de evasão de dividas da ordem de R$ 10 bilhões.

Mas foi necessária uma voz de comando do chefe Lula. A desgraça de Vargas somente se prenunciou quando o ex-presidente disse que o deputado “precisa explicar à sociedade” o que aconteceu para que “o PT não pague o pato”.

Hospital

Data: 18/04/2014
11:04:37

O prefeito de Paramirim, Júlio Bittencourt (PSD), teve audiência com o secretário da Saúde, Washington Couto, sobre a liberação da chamada contratualização para manutenção do Hospital de Pequeno Porte Dr. João Cupertino.

A articulação foi feita pelo deputado Nelson Leal (PSL), que acompanhou em Salvador também o prefeito de Oliveira dos Brejinhos, Clériston Pereira (PP), em sua passagem por órgãos estaduais para tratar de assuntos do município.

Argumento razoável

Data: 18/04/2014
11:03:06

Membro destacado da resistência autonomista baiana contra as interventorias que nos governaram, a começar por Juracy Magalhães, o grande jurista Nestor Duarte presidiu a banca examinadora do concurso público em que o jovem Miguel Reale, na década de 30, pleiteava cátedra na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

De volta à Bahia, Nestor foi questionado por um correligionário, que não entendia como ele, na sua vocação democrática, contribuíra para a aprovação de um adepto do integralismo, movimento político inspirado no fascismo italiano, ao qual se opunham. Nestor simplificou: “Me rendi à inteligência”.

"Greve geral" na Bahia e as eleições que vêm

Data: 16/04/2014
09:52:19

A greve da Polícia Militar repete, do ponto de vista eleitoral, a situação de 2012, quando, também em abril, iniciou-se a paralisação dos professores estaduais que duraria 120 dias e seria apontada como a causa maior da derrota do candidato do PT à Prefeitura, Nelson Pelegrino.

Como há dois anos, a deflagração do movimento se deu após numerosas tentativas de entendimento, em que, igualmente, despontou a incapacidade do governo para o cumprimento de acordos e para o estabelecimento do diálogo, que se imaginava seu principal mecanismo de atuação.

As coincidências, enfim, são muitas, embora uma diferença gritante já comece a mostrar seus efeitos: uma greve policial equivale, na prática, a uma greve geral, pois é desaconselhável a circulação de pessoas num ambiente de insegurança, como já se começou a ver na primeira noite e madrugada.

Os motoristas de ônibus foram os primeiros a recolher-se, seguindo orientação do sindicato dos rodoviários, pois se são vítimas diárias dos assaltantes em períodos “normais”, o quadro só poderia piorar sem policiamento. Por outro lado, do alto de sua responsabilidade, a reitora da Ufba, prudentemente, suspendeu as aulas na instituição.

É uma reação em cadeia mais que natural, e se uma solução não vier rapidamente as consequências serão imprevisíveis para a economia municipal e para o bem-estar da população. Sem que se possa imaginar o que pensam seus principais operadores, o governo é mais uma vez passivo, parecendo que desconhece a experiência anterior.

Chamam democracia ao caldo deteriorado da política

Data: 16/04/2014
09:48:27

Até hoje se tomou como produto do ambiente democrático a bagunça instalada na política baiana com o “fim” do carlismo e a ascensão do PT ao poder – especificamente, o governador Jaques Wagner, que, com seu estilo low profile, fecha os olhos, passa a mão nas cabeças e vai levando.

Assim, foi possível a aproximação de personalidades antes díspares, a tal ponto que pelo menos três ex-governadores da antiga era – Otto Alencar, César Borges e, por algum tempo, Antonio Imbassahy –, movidos pelo sopro do vento da liberdade, pularam a cerca para provar de outros quintais.

No fim, tudo não passa de cada um buscando o espaço que lhe permita maior conforto. O comum dos mortais jamais saberá o que houve de fato, nos bastidores, em seus períodos de convivência, entre Borges, Otto, Geddel Vieira Lima – por que não? – e, mais na periferia, João Leão.

Por isso, “estranha-se” que Joaci Goes e Geddel, inimigos intestinos do falecido senador Antonio Carlos Magalhães, tenham ido parar na chapa que seu neto organizou para a batalha eleitoral e, “do outro lado”, Otto e Leão curtam os prazeres da vida na “esquerda”.

Parvo ou mal-intencionado é quem “interpreta” a presença de carlistas e não carlistas nesta ou naquela aliança, quando tudo é um caldo só, em que não se distinguem carreiras e interesses.

Isso que aparece como nova democracia é apenas a sucumbência da ideologia que tudo transforma em cifrões para empreiteiras, agências de publicidade e beneficiários conexos.

Presença de lideranças marca reuniões do PGP

Data: 16/04/2014
09:45:55

Cerca de 25 mil pessoas participaram até agora das 16 reuniões do Programa Participativo de Governo, que o PT está organizando em todo o Estado para apresentar seu candidato a governador, Rui Costa, e discutir as propostas que ele pretende realizar caso eleito.

Integrante da coordenação das atividades, Edízio Nunes explica que não são encontros de arregimentação popular, mas de debate com lideranças políticas regionais, entidades representativas, prefeitos, vereadores e a classe acadêmica, "que tem dado uma grande contribuição".

No último fim de semana, o PGP foi a Alagoinhas e Valença para sessões muito concorridas, mas as maiores já realizadas ocorreram em Barreiras e Itaberaba.

“É uma iniciativa da Bahia”, destaca Edízio, informando que o objetivo é cobrir todos os 27 territórios de identidade do Estado, envolvendo delegações dos 417 municípios. “Fecharemos em Camaçari, no dia 1º de junho, quando queremos a presença de Lula para apresentar o pré-candidato a toda a sociedade”.

Interferência explícita

Data: 16/04/2014
09:44:12

“O jogo da política é complicado mesmo”, refletiu o ex-deputado Pedro Alcântara ao comentar a indicação, pelo candidato ao Senado Geddel Vieira Lima (PMDB) do vice da chapa oposicionista, Joaci Goes (PSDB).

“É a primeira vez, em 32 anos de mandato, que vejo um partido interferir no outro”, constatou Alcântara, frisando que a notícia circulou, ainda duvidosa, na internet, mas depois foi confirmada pelo próprio Geddel em entrevista à Tribuna da Bahia.

Um participante da conversa lembrou que, nos velhos tempos do PFL, o senador ACM indicava candidatos do PL, PTB, PPB...

Alcântara replicou: "Mas ali era tudo dele".

Sugestão

Data: 16/04/2014
09:41:02

Cientistas políticos, como os jornalistas, deveriam se livrar do ranço político que eventualmente tenham tido no passado – mas apenas se quiserem transmitir alguma isenção a seus leitores.

O chapão do espanto

Data: 16/04/2014
09:40:22

As referências ao chapão que o governo pretende construir para deputado estadual são feitas na Assembleia Legislativa com tom de filme de terror.

Se participarem da coligação, como se anuncia, PT, PP, PSD, PDT, PR e PTB, a expectativa é de que sejam necessários pelo menos 55 mil votos para a eleição.

O lado bom é que tal chapão faria em torno de 20 cadeiras. O PCdoB, de caculadora na mão, vai sozinho.

Oposição vai à Justiça contra "royalties"

Data: 16/04/2014
09:39:29

A Assembleia Legislativa aprovou ontem por 37 votos a seis o projeto de lei do Poder Executivo que autoriza a antecipação dos créditos dos royalties provenientes da exploração mineral no Estado.

A matéria vai permitir que o governo ofereça os royalties dos próximos cinco anos como garantia para obter crédito junto às instituições financeiras. A finalidade específica da proposição é reforçar o caixa da previdência dos servidores públicos.

O deputado Gaban (DEM) arguiu inconstitucionalidade, por entender que o projeto fere a Lei Federal nº 12.858, que restringe à saúde e à educação o investimento de recursos dos royalties oriundos de contratos celebrados a partir de dezembro de 2012.

Entretanto, um parecer favorável, com base em consulta à Procuradoria da Casa, foi elaborado pelo deputado Joseildo Ramos (PT) no âmbito da Comissão e Justiça, reunida no plenário.

O líder da oposição, Elmar Nascimento (DEM), afirmou não ter outra alternativa a não ser apelar à Justiça contra o que classificou de "inconstitucionalidade e agressão à Lei de Responsabilidade Fiscal".

PSB espera máquinas passarem para definir chapa

Data: 14/04/2014
10:13:53

A inexistência, até agora, de um candidato a vice-governador na chapa da senadora Lídice da Mata – única, entre as principais, ainda indefinida – não é nenhum grande problema para o PSB, na avaliação do seu primeiro secretário, Rodrigo Hita.

“Não temos pressa, o processo no momento tem dois grandes polos de atração, que são as máquinas do governo e da Prefeitura”, disse Hita, informando que o partido continua conversando com outras legendas e políticos que possam participar de uma aliança.

Um grande atrativo de uma coligação encabeçada pelo PSB, na avaliação do secretário, é que a chapa proporcional para a Assembleia Legislativa não terá deputados "socialistas" concorrendo, o que facilitaria a eleição dos novos pretendentes, como é seu próprio caso, e mesmo dos antigos.

No PV, o deputado Marquinho Viana tem interesse na coligação, ao lado do presidente regional, prefeito Alan Lacerda, de Licínio de Almeida. A resistência é do presidente nacional, José Luiz Penna, e do ex-secretário Ivanilson Gomes, que preferem o alinhamento com o prefeito ACM Neto.

Hita identifica também um canal de diálogo com as pequenas legendas da Frente Jorge Aleluia, que “tinha uma tendência pró-Geddel” e agora estaria reavaliando o quadro. “O PPL, por exemplo, não vai com Paulo Souto”, apontou.

Aliança com o PDT reduziria risco Souto

Data: 14/04/2014
10:11:27

Mas o olho grande do PSB – disse fonte deste blog – está, na verdade, no PDT, sobre o qual não perdeu a esperança a partir de uma avaliação de bastidores que seria referendada até por altos próceres governistas.

Trata-se da convicção de que o candidato do governador Jaques Wagner, Rui Costa (PT), não tem condições de vencer a eleição no primeiro turno, e se alguma possibilidade houver de ele chegar lá, será no segundo.

Por outro lado, enfrentando um governismo disperso e, pior, com os ares amargos da divisão, a oposição unida poderia liquidar a fatura já em 5 de outubro.

A ida do PDT, que indicaria o vice, seria uma forma de evitar o mal maior, já que nem assim Rui Costa estaria livre de uma derrota, podendo dar Souto e Lídice no segundo turno. É uma equação para Wagner resolver.

Governantes em geral se acham bons demais

Data: 14/04/2014
10:09:10

No fundo, nossos governantes devem estar tão conscientes da carência da população que se sentem seguros em lhe dar qualquer coisa, de qualquer forma, porque sabem que aquilo será recebido como uma dádiva dos céus.

Vejamos o caso de duas grandes iniciativas que a Prefeitura de Salvador e o governo do Estado realizam na capital, com grande impacto no trânsito: respectivamente, o recapeamento de praticamente toda a malha viária urbana e o complexo de obras no Imbuí.

Para as autoridades municipais, os motoristas estão ganhando pistas novas, por isso não importa que o serviço seja executado sem cuidado, deixando por um ou dois dias buracos-surpresa nas partes raspadas e tombos na passagem do leito antigo para o asfalto novo.

Da mesma forma – fato até registrado pelo chargista Simanca, em A Tarde –, pouco preocupam os tampões rebaixados da rede de esgoto, uns reparados, outros, não. Por exemplo, os da Avenida ACM, das primeiras “requalificadas”, estão lá até hoje, nas faixas à esquerda próximas do cruzamento do Cidadela.

Na obra do Imbuí, somente o cidadão não foi levado em consideração. Os engarrafamentos constantes nos dois lados da Avenida Paralela e dentro do bairro, na Rua das Araras e Avenida Jorge Amado, são a prova mais evidente, uma situação escandalosa, que promete durar muito.

Sonhemos com os benefícios, mas nenhum contribuinte deveria ser obrigado a suportar por seis meses ou um ano tantos transtornos, agravados pelo estreitamento de pistas, sinalização deficiente, falta de agentes de trânsito e, especialmente, buracos em vários trechos.

"Inauguração" já foi iniciada

Data: 14/04/2014
10:06:38

A propósito, entre escombros, tapumes e arranjos, sem sinalização ou pintura de faixas, anunciou-se no fim de semana a abertura da saída do Imbuí para a Paralela, um dos pontos de estrangulamento da área.

Não é necessário ser engenheiro ou técnico, mas simplesmente um motorista habilitado, para atestar que o ângulo da conversão da pista interna para a avenida, pouco antes do supermercado Extra, é absolutamente inadequado.

Além de fechado demais, não há “proteção” na via principal para os veículos que saem do bairro. É quase certo que, nas horas de maior movimento, será um ponto propício aos congestionamentos.

Aliança majoritária começou desajustada

Data: 13/04/2014
14:17:31

Fato é que até agora não houve uma voz abalizada capaz de explicar a lambança inesperada da “indicação” do ex-deputado Leur Lomanto para a Secretaria Municipal de Transporte, da qual declinou para tratar de “novos projetos e atividades futuras”.

Sua “recusa” está em todos os veículos digitais de que se tem notícia neste Estado, com exatamente o mesmo texto, revelando um press-release distribuído, supostamente, por alguém a ele ligado.

Está claro que uma situação inusitada gerou o caso, porque em política, especialmente no porte que se a imagina na Prefeitura de Salvador, um convite para o secretariado não é feito à toa, como, aliás, teria se pronunciado – o condicional é indispensável – a assessoria de imprensa do prefeito, negando sua existência.

O pior de toda a tenebrosa trama: tudo não passaria do cumprimento de algum acordo, ou o simples atendimento a uma reivindicação acessória, para que o candidato ao Senado pelo PMDB, Geddel Vieira Lima, tivesse aceitado a composição majoritária, ou seja, sua participação efetiva na máquina municipal.

Isto é um grave problema do espaço digital: as informações proliferam, reproduzem-se, desdobram-se, fazendo uma confusão que a esta altura não é mais privilégio do meio político, mas atinge camadas diversas das sociedade, tendendo a reduzir questões intrincadas à sua expressão mais simples.

Dessa forma, analisando por cima a salada de dados postos à disposição do público, ficamos sabendo que Geddel “teria” anunciado a nomeação de Leur numa emissora de rádio e depois, via twitter, afirmado que os que divulgavam essa notícia estavam “mais por fora que umbigo de vedete”, gíria remota que, atualizada, seria impublicável neste horário.

Temos então um caso em que um cidadão vai a público dizer que não aceita cargo para o qual não foi chamado e é envolvida, impunemente, a imagem de um candidato majoritário que em poucas horas dá duas versões para o mesmo episódio.

Pode não ser nada, mas, se alguma verdade estiver nessas projeções, o quadro não sugere um bom começo de novas relações políticas de alto nível. Desconhece-se, mesmo na internet, uma posição mais efetiva sobre o tema dos dois principais da históra – Geddel e o prefeito ACM Neto.

Sem conflito

Data: 13/04/2014
14:14:22

O deputado Sandro Régis contesta nota deste blog que atribui uma coincidência de interesses eleitorais entre ele e o deputado federal Fábio Souto, filho do ex-governador Paulo Souto, que disputará uma cadeira na Assembleia Legislativa.

“Não tem procedência a informação, pois a atuação do deputado Fábio prevalece em outras regiões diferentes das minhas. A candidatura dele não me prejudica em nada nem eu trago qualquer prejuízo a ele”, observou.

A verdade – dizemos nós – é que, de um futuro nebuloso, a situação dos deputados estaduais da coligação liderada pelo DEM passou a uma relativa tranquilidade. A candidatura de Paulo Souto ao governo chamará votos, e o próprio Régis, que é seu leal aliado, poderá beneficiar-se disso.

Demitido antes da posse

Data: 12/04/2014
15:18:18

Passível de avaliação posterior, pois o momento atual não permite, tem tudo para ter sido uma dessas barbeiragens políticas descomunais a “exoneração” do ex-deputado Leur Lomanto – não confundir com o filho homônimo, deputado estadual – da Secretaria Municipal de Transporte.

Santana: orçamento revela descaso com agricultura

Data: 12/04/2014
12:13:26

Um quadro pavoroso da economia agrícola na Bahia é traçado pelo ex-ministro João Santana em seu livro “Agricultura baiana, um espelho de ingratidão e incompetência”, que tem alcançado grande repercussão nos sucessivos lançamentos que vêm sendo feitos em todo o Estado, como ontem, em Irecê.

“O atual governo entrou definitivamente para a história”, diz o autor, ao referir-se à redução gradativa dos recursos para a área. Em 2008, no primeiro orçamento elaborado pelo governador Jaques Wagner, o percentual foi de 1,48%. No ano seguinte, caiu para 1,17%, permanecendo em patamares próximos até 2012, quando se situou em 1,19%.

Esse aspecto, na verdade, agrava uma situação histórica determinada pela falta de planejamento da atividade, que abrange muitos outros governos anteriores. Para o autor, a característica da agricultura baiana é a “forma espoliativa e extrativa como os portugueses exploravam o pau-brasil” – cinco séculos atrás.

Apesar de sua extensão territorial, em que se incluem 32 milhões de hectares de zona rural, a Bahia tem hoje, segundo João Santana, “culturas à deriva”, entre as quais destaca o fumo, a mamona, o dendê, o sisal e, sobretudo, o cacau, que em sua época de ouro chegou a representar 70% dos tributos recolhidos pelo Estado.

Êxodo rural atinge números dramáticos

Data: 12/04/2014
12:11:32

A importância da agropecuária na Bahia é tão grande que, apesar dos problemas que o segmento enfrenta ao longo de décadas, ainda é responsável por 40% da população economicamente ativa, que trabalham em mais de 700 mil propriedades.

A população rural, como se sabe, vem caindo expressivamente desde o início da segunda metade do século XX, mas nos últimos 30 anos, como anota Santana em sua obra, esse desequilíbrio assume aspectos dramáticos: da relação meio a meio da década de 80, chega-se hoje a 65% vivendo no meio urbano.

A pecuária representa a maior extensão de terra, com 15 milhões de hectares, enquanto a lavoura ocupa 5 milhões de hectares, sendo 7 milhões para as matas e outros 5 milhões para terras ociosas. “Mas nada disso avançará sem extensão rural, sem assistência técnica e sem pesquisa”, sentencia Santana.

Programão

Data: 12/04/2014
12:09:17

Um debate entre Rui Costa, Paulo Souto e Lídice da Mata será a coisa mais horrível que o telespectador terá de engolir.

Alcântara quer candidatura única de Juazeiro

Data: 12/04/2014
12:08:42

O ex-deputado Pedro Alcântara (PR) – seis mandatos na Assembleia Legislativa – está a todo vapor na campanha para chegar à Câmara dos Deputados. Além de reuniões semanais em municípios da região de Juazeiro e do semiárido, ele se prepara para inaugurar um escritório em Salvador.

Sua base principal, Juazeiro, tem hoje 140 mil eleitores e nenhum candidato local a deputado federal, uma vez que o ex-deputado Jorge Khoury (DEM) decidiu permanecer na Secretaria da Educação de Salvador e o ex-prefeito Joseph Bandeira (PSB) enfrenta problemas na Justiça que poderão torná-lo inelegível.

Fora o deputado Daniel Almeida (PCdoB), também votado no município, nenhum concorrente de peso terá Alcântara, que se julga com força em todo o chamado Território do São Francisco. “Os cálculos do PR são para elegermos três: eu, João Bacelar e Zé Rocha”, estimou.

Votos que se vão

Data: 12/04/2014
12:07:21

Compelido a candidatar-se a deputado federal, o ex-prefeito João Gualberto deixará de repassar a João Carlos Bacelar, agora seu concorrente, cerca de 20 mil votos em Mata de São João, Conde e outros municípios do Litoral Norte.

Confronto incontornável

Data: 12/04/2014
12:06:34

Já com a candidatura de Fábio Souto a deputado estadual, o prejuízo maior é do deputado Sandro Régis, velho aliado –apesar de sua juventude – do ex-governador Paulo Souto.

Mas esse é um confronto que não pode ser evitado. Fábio caiu de 297 mil votos para 66 mil de 2006 para 2010. Tentar a reeleição novamente seria fatal.

Quase "full-time"

Data: 12/04/2014
12:05:35

Não há mais dia fixo para o ex-prefeito João Henrique (PSL) despachar na Assembleia Legislativa, no gabinete da ex-mulher, a deputada Maria Luiza (PSC).

“Precisou, ele vem”, disse um correligionário sobre as movimentações de João para eleger-se deputado federal e ao filho Paulo Henrique e à mulher Tatiana Paraíso, estes para a Assembleia.

Dos reles cargos

Data: 11/04/2014
16:20:34

Elucubrações mais rasteiras sobre a moeda de troca corrente nas confabulações majoritárias apontam não somente para Fábio Mota no lugar de Rosemma Maluf na Secretaria de Ordem Pública da Prefeitura, mas principalmente para José Carlos Brito de volta à Secretaria Municipal da Saúde.

Vai ter que aturar

Data: 11/04/2014
16:19:49

Analistas da cena são inclementes: a vice na chapa de Neto em 2016 é impossível. A lógica do prefeito seria a de, na medida do possível, não dar fôlego a concorrentes potenciais ou presentes, embora isso contradiga a ideia de construção de um projeto político baseado na agregação.

“Geddel não encarou sozinho agora porque viu que era suicídio. Ficou sem opção, ninguém vai dar a ele prefeitura nenhuma, ele acabou num beco sem saída”, comentou um observador, acrescentando que em política continua valendo o princípio de “a cada dia, sua agonia”.

Votos ao léu

Data: 11/04/2014
16:18:43

Há no eleitorado uma faixa tradicional de oposição ao carlismo que não votaria de jeito nenhum em Paulo Souto e hoje se vê descontente com o petismo, sendo por isso refratária a Rui Costa e, por extensão, a Lídice da Mata, representante da oposição pós-moderna, a que sai do governo para a eleição.

Esse segmento está, como se vê, tornado órfão, pois a opção possível entre os candidatos factíveis estaria em Geddel, apartado do processo para uma batalha, digamos, duríssima com o o vice-governador e secretário Otto Alencar – sem esquecer a potencialidade inovadora da ministra Eliana Calmon.

Balança

Data: 11/04/2014
16:17:36

E Mário Kertész, processado por 62 deputados, acabou com dois amigos na chapa da oposição.

 Próxima Página >