Deputado não vê problema em tamanho da oposição


Em resposta a um repórter, lembrou que houve uma legislatura em que a bancada da minoria, com 16 parlamentares, era praticamente igual à que assumirá em 1º de fevereiro. "Não foi difícil trabalhar, porque oposição é para falar e governo é para votar".


Explicou que um mandato de oposição se faz da tribuna e "o resto é secundário", porque o deputado não precisaria "negociar votação de projetos", mas sim "denunciar o que acha errado", como ocorreu no final da década de 90.


"Foi a menor e melhor bancada que a oposição já teve", estimou Nilo, lembrando nomes que se projetaram na política baiana e brasileira: Alice Portugal, Moema Gramacho, Arnando Lessa e Paulo Jackson. Ele citou também, em outro quatriênio, a atuação de Lídice da Mata e Luiz Caetano.

Luís Augusto Gomes - Por Escrito

http://www.porescrito.com.br