No tempo em que juiz não saía em coluna social

(Rui Barbosa).

O comum dos mortais tem um medo danado de juiz. É a pessoa que, não ostentando aparato bélico, com suas togas e martelos, impõe um respeito que só vendo, pode mandar qualquer para a cadeia pelo mais simples motivo, conforme a própria interpretação. Por isso é reverenciado, e até o policial mais truculento fala baixo na presença dele.

Estereotipicamente falando, o juiz é o cidadão austero, recatado. Um cumpridor da lei que só se pronuncia nos autos. Essa condição – sempre lembrando que se trata aqui de uma idealização da imagem – não deixa de ser confundida com arrogância, e é assim que os magistrados em geral são vistos, como seres arrogantes e superiores.

Daí para a presunção, é um passo. Ciente de seu poder, o juiz de hoje não se aborrece por deixar processos na gaveta, atrasando a vida das partes. Mais o preocupa sair nas colunas sociais e participar de convescotes da magistratura do que fazer justiça. Modernamente, tem gente que ingressa na carreira já pensando nisso.

Luís Augusto Gomes - Por Escrito

http://www.porescrito.com.br